16/02/2022 às 13:18

16

Quarta

Fev

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rodrigo Franchini, sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo

O conflito entre Rússia e Ucrânia ganhou o noticiário na última semana e mexeu com o mercado. O valor do petróleo subiu, o dólar oscilou, o mundo inteiro acompanha cada passo dos países e aguarda um desfecho para a tensão. 

Qual o motivo do conflito entre Rússia e Ucrânia?

A Rússia não reconhece a Ucrânia como um país soberano, justamente por ser um território anexo ao russo desde 1922, quando ocorreu a Revolução Russa. Com a vitória dos bolcheviques, a Ucrânia e outros 13 países foram agregados à Rússia, criando a URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Por isso, existe um grande histórico de conflitos entre os dois países. Com a dissolução da URSS, a Ucrânia tornou-se um Estado, o que não foi bem aceito pela Rússia.

Por ter um território plano, a Rússia teme a facilidade com a qual pode ser invadida. Por isso, historicamente, busca a conquista de países próximos para garantir maior segurança.  Com a Ucrânia independente, o país se entende vulnerável e, por isso, mantém-se alerta a qualquer movimento ucraniano. Um exemplo disso foi quando em 2014 a Ucrânia se juntou à União Europeia. 

No contexto atual, a Ucrânia fez o movimento de aproximação da Otan, e portanto, ao se sentir ameaçada, a Rússia encarou o movimento como agressão. A Organização do Tratado do Atlântico Norte é uma aliança político-militar criada durante a Guerra Fria. Para estabelecer um pacto militar entre os países do Tratado do Atlântico Norte contra o avanço do socialismo. Hoje, a Otan atua para garantir a segurança dos países membros e é a maior organização político-militar do mundo. 

Contexto Econômico 

Com esse embasamento fica mais fácil entender o tamanho do problema geopolítico que estamos enfrentando neste momento. E isso não se restringe apenas aos países envolvidos no conflito diretamente. Os fronteiriços também são atingidos, assim como nossos parceiros comerciais e nossos dependentes da matriz energética. 

Imagine se, por um acaso, a Rússia decidisse cortar o fornecimento de gás para a Europa em uma eventual retaliação? Isso acabaria por prejudicar muito as condições econômicas europeias. Visto que, por exemplo, mais de 50% do gás consumido na Alemanha, tanto para geração de energia quanto para mover a indústria em si, vem da Rússia. Gasoduto, aliás, que atravessa o território ucraniano. 

Além desse temor, um outro ponto de atenção é o petróleo. A principal matriz energética global não para de subir, acompanhando o aumento da escada de tensões. Não por acaso o barril de petróleo se aproxima de US$95, tendo inclusive já precificação no curto prazo para romper a barreira dos US$100 e, no médio prazo, a depender da resolução ou não do conflito, até os US$120. 

Agora imagine os movimentos contracionistas globais tentando não atrapalhar o crescimento econômico local. Somando a isso uma dificuldade enorme em manter o controle inflacionário, com a elevação no preço das principais matrizes energéticas. Esse é o grande problema que o mundo não quer enfrentar. 

Por consequência desse temor, as curvas de juros globais se abrem. Os juros futuros fecharam em elevação na semana passada no Brasil. No mundo, o índice do medo, o famoso VIX, apresenta uma elevação de mais de 50% desde o início do ano. 

E como ficam as bolsas?

Naturalmente com todo esse cenário, as bolsas tendem a ficar menos atrativas. Porque afinal, quem vai se posicionar em risco com este grande quadro por trás? As moedas dos países de primeira linha se tornam mais atrativas, a renda fixa se eleva. E, consequentemente, os juros de grandes mercados atraem mais recursos e fluxo. Ou seja, dá pra entender que o risco em elevação é naturalmente ruim para todo mundo, em especial para os emergentes. 

E faço ainda uma ressalva quanto ao atual fluxo de entrada no Brasil. Não podemos nos deixar enganar, visto que esse movimento é mais pontual e buscou uma atratividade em ativos mais baratos do que a média global. Porém, a tendência não é de manutenção desse patamar por muito tempo, visto que até pelo Focus a precificação do dólar ao fim do ano é de R$5,58.

Rodrigo Franchini
Sócio e Head de Relações Institucionais na Monte Bravo

Rodrigo Franchini é bacharel em Direito, e há 17 anos atua no mercado financeiro. Tem MBA pela FGV em Bancos e Instituições Financeiras. Trabalhou em grandes instituições como HSBC no cargo de Gestor de Patrimônio, Itaú Personnalité e Safra, ambos no cargo de Gerente de Alta Renda e também no Bradesco como Especialista de Investimentos. Possui as certificações CPA 10 / CPA 20 / CEA / Ancord


Quer investir em Renda Fixa?

Entre em contato com a Monte Bravo Investimentos e abra sua conta!


Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1