12/01/2022 às 14:14

12

Quarta

Jan

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rodrigo Franchini, sócio e head de Relações Institucionais da Monte Bravo

O IPCA, a inflação oficial do Brasil, fechou o ano de 2021 em 10,06%, bem acima da meta estabelecida pelo Banco Central, de 3,75% – e que contava com tolerância de 1,5 ponto percentual. Essa é a maior alta desde 2015, quando chegou a 10,67%. Em dezembro, o índice chegou a desacelerar para 0,73%, após ter registrado taxa de 0,95% em novembro.

O resultado, como era de se esperar, movimentou o mercado, e levou o Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, a publicar uma carta aberta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, explicando os fatores que contribuíram para o estouro da meta.

Campos Neto classificou dois dos fatores como “fenômenos globais” e deixou de fora o risco fiscal, um dos temas que mais movimentou o mercado durante o segundo semestre de 2021, especialmente com a tramitação da PEC dos Precatórios. Foram apontados por Campos Neto como os principais motivos para a inflação em 10,06%:

•  Forte elevação dos preços de bens, em especial os de commodities;

•  Desequilíbrios entre demanda e oferta de insumos, provocando gargalos nas cadeias produtivas globais.

•  Bandeira “escassez hídrica” de energia elétrica, acionada em setembro.

Para o presidente Jair Bolsonaro, as medidas restritivas impostas pela pandemia de Covid-19 impactaram diretamente o índice.

Ativos atrelados à inflação protegem patrimônio

Tudo indica que 2022 será um ano agitado na política e na economia. Além das eleições deste ano, a alta dos diagnósticos de Covid-19 e a epidemia de Influenza também contribuem para a movimentação do mercado. A expectativa é de que a inflação desacelere ao longo do ano, fechando ainda acima do teto da meta, que será de 5%.

Nesse cenário, quais ativos se tornam boas opções?

Os atrelados à inflação, com IPCA + são boas escolhas para proteção de patrimônio. A orientação é buscar as melhores taxas pelo período e cenário que se deseja e buscar ativos isentos de Imposto de Renda, como debêntures CRAs e CRIs, por exemplo.

Lembre-se de que inflação alta significa elevação de juros para contê-la. Sendo assim, é natural que ativos pós-fixados a juros sejam protetivos também. Neste cenário, o retorno tende a ser melhor. No entanto, é importante manter no radar que este tipo de ativo não garante uma alocação segura acima de inflação a longo prazo. Afinal, quando a inflação cair, naturalmente os juros cairão. Fique atento(a) se fizer esta escolha!

Cenários de juros altos dificultam crescimento. Com isso, alocações internacionais se mostram boas opções também. Se você não precisar de liquidez imediata e tiver o perfil, pode ainda buscar investimentos mais alternativos, como os fundos de private equity e venture capital, que rendem muito acima da inflação e protegem patrimônio.

Converse com seu(a) assessor(a) sobre opções que se adequam ao seu perfil e ajuste o que for necessário em sua carteira neste momento. Bons investimentos!


Invista com quem entende sua história e personaliza a gestão do seu patrimônio

Entre em contato com nossos especialistas e abra sua conta!


Artigos Relacionados

  • 17

    Sexta

    Dez

    17/12/2021 às 11:56

    MB Sócios

    IPO’s: perspectivas para 2022

    Compartilhe

    CompartilhePor Bruno Madruga, sócio e head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos É muito comum ouvirmos dentro do mercado financeiro a palavra IPO. E geralmente, ela vem junto com “aquela empresa vai fazer um IPO, essa é uma ótima oportunidade de investimento”. Nos últimos dois anos, o crescimento de investidores na Bolsa de Valores […]

    Continue lendo
  • 24

    Quarta

    Nov

    “captured with the D200 & DX17-55 2.8 in the capital of Brazil, i never saw a city like that, like a space command center or an UFO, build in the middle of nowhere”

    24/11/2021 às 12:48

    MB Sócios

    PEC dos Precatórios e os impactos para investidores

    Compartilhe

    CompartilhePor Rodrigo Franchini, Sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo O mercado tem acompanhado de perto a PEC dos Precatórios e os desdobramentos dela no Senado. Alguns parlamentares estão reticentes à aprovação do projeto por causa do aumento do risco fiscal brasileiro pela ampliação do teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil, […]

    Continue lendo
  • 18

    Quinta

    Nov

    IFIX já caiu mais de 8% em 2021. E agora?

    18/11/2021 às 11:10

    MB Sócios

    IFIX já caiu mais de 8% em 2021. E agora?

    Compartilhe

    CompartilhePor Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo. O ano não tem sido fácil para algumas classes de ativos e os fundos imobiliários estão entre elas. O Ifix amarga uma queda de mais de 8% em 2021 e as perspectivas não são tão boas no curto prazo. Com a economia deteriorada, muitos investidores (as) começam a questionar se estão fazendo […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1