18/11/2021 às 11:10

18

Quinta

Nov

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

O ano não tem sido fácil para algumas classes de ativos e os fundos imobiliários estão entre elas. O Ifix amarga uma queda de mais de 8% em 2021 e as perspectivas não são tão boas no curto prazo. Com a economia deteriorada, muitos investidores (as) começam a questionar se estão fazendo a coisa certa.

Em primeiro lugar, é importante tentar traçar um diagnóstico para depois, embasado (a), tomar uma decisão. Uma das questões que têm afetado o mercado de FIIs, por exemplo, é a alta da inflação.

IPCA, índice de preços ao consumidor, acumula alta de 8,24% no ano, de acordo com dados do IBGE. Projeções do relatório FOCUS, divulgado pelo Banco Central, mostram o indicador em mais de 9% até o fim de 2021. Já são mais de 30 semanas consecutivas de revisões que corrigem essas expectativas para cima.

Para tentar controlar esta elevação nos preços, o Banco Central, como agente monetário, tem elevado a taxa básica de juros a cada reunião. Hoje, a Selic encontra-se em 7,75% e a tendência é também de alta nas próximas reuniões do Copom.

Com IPCA e Selic em elevação, é natural que títulos indexados aos dois indicadores ganhem a atenção do mercado. E isto explica, em partes, o mau desempenho dos FIIs em 2021 e a “volta da renda fixa”, já que os yelds pagos pelas gestoras já não têm dado conta da inflação.

Também vale lembrar que ainda temos eleições em 2022, o que deve causar ainda mais volatilidade.

Diante deste cenário de quedas tanto no índice de fundos imobiliários quanto no Ibovespa, oportunidades estão postas para os investidores (as). Ao observar cada ativo mais de perto e com calma, é possível encontrar opções boas e baratas.

Alguns gestores têm destacado alternativas com maior exposição ao IPCA e Selic. Por outro lado, FIIs de “papel” também podem ser um caminho para o curto prazo.

Para o longo e médio prazo, alguns analistas dizem que assim que a inflação começar a ceder, a tendência é de recuperação para o setor. Quem comprar cotas de boas gestoras agora, sem dúvidas, colherá os frutos no futuro.

Por fim, sobre o atual momento, é importante dizer que sempre há um ponto no qual os preços dos ativos alcançam um determinado patamar e se estabilizam. Ao invés de olhar para este período como algo ruim, precisamos enxergá-lo como oportunidade. Bons negócios!


Invista com quem entende sua história e personaliza a gestão do seu patrimônio

Entre em contato com nossos especialistas e abra sua conta!


Artigos Relacionados

  • 12

    Quarta

    Jan

    Inflação fecha 2021 com a maior alta desde 2015: Onde investir agora?

    12/01/2022 às 14:14

    MB Sócios

    Inflação fecha 2021 com a maior alta desde 2015: Onde investir agora?

    Compartilhe

    CompartilhePor Rodrigo Franchini, sócio e head de Relações Institucionais da Monte Bravo O IPCA, a inflação oficial do Brasil, fechou o ano de 2021 em 10,06%, bem acima da meta estabelecida pelo Banco Central, de 3,75% – e que contava com tolerância de 1,5 ponto percentual. Essa é a maior alta desde 2015, quando chegou […]

    Continue lendo
  • 17

    Sexta

    Dez

    17/12/2021 às 11:56

    MB Sócios

    IPO’s: perspectivas para 2022

    Compartilhe

    CompartilhePor Bruno Madruga, sócio e head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos É muito comum ouvirmos dentro do mercado financeiro a palavra IPO. E geralmente, ela vem junto com “aquela empresa vai fazer um IPO, essa é uma ótima oportunidade de investimento”. Nos últimos dois anos, o crescimento de investidores na Bolsa de Valores […]

    Continue lendo
  • 24

    Quarta

    Nov

    “captured with the D200 & DX17-55 2.8 in the capital of Brazil, i never saw a city like that, like a space command center or an UFO, build in the middle of nowhere”

    24/11/2021 às 12:48

    MB Sócios

    PEC dos Precatórios e os impactos para investidores

    Compartilhe

    CompartilhePor Rodrigo Franchini, Sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo O mercado tem acompanhado de perto a PEC dos Precatórios e os desdobramentos dela no Senado. Alguns parlamentares estão reticentes à aprovação do projeto por causa do aumento do risco fiscal brasileiro pela ampliação do teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil, […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1