22/10/2021 às 19:55

22

Sexta

Out

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rodrigo Franchini, Sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo

Na última quinta-feira, 21 de outubro de 2021, quatro secretários do Ministro da Economia, Paulo Guedes, pediram exoneração de seus cargos. Isso aconteceu após o presidente Jair Bolsonaro furar o Teto de Gastos da economia.

O Teto de Gastos aprovado pelo governo Temer em 2016 congelou investimentos por 20 anos, onde os custos do país seriam corrigidos apenas pelo índice de inflação (IPCA). E para dar continuidade ao programa Auxílio Brasil, no valor de R$400, ou teríamos um aumento nos impostos, ou estouraríamos o teto. E estourar o teto foi a decisão do presidente.

Quais são as implicações do aumento de gastos?

Para começar, a imagem da economia brasileira fica afetada e, portanto, a confiança no mercado brasileiro cai muito. Quando isto ocorre, há uma evasão de capital estrangeiro do país, o dólar aumenta e começa a importar a inflação. Esse cenário inicia um efeito cascata, no qual, para controlar a inflação, aumenta-se os juros, o que se traduz em crédito mais caro. 

Com o custo Brasil muito alto, não há crescimento da economia, a geração de empregos é reduzida, a renda diminui, e consequentemente, precisamos de uma nova rodada de auxílios. 

Então, o que esperar para o futuro próximo?

Se nos próximos meses o Teto de Gastos não for respeitado, o Risco Brasil pode aumentar ainda mais, fazendo a taxa Selic subir para 2 dígitos. Aproximadamente metade da bolsa brasileira é formada por capital estrangeiro, e com a saída deste capital, a taxa básica de juros precisa ser elevada, o que prejudica o desempenho da bolsa.  

Outra questão que é evidenciada é a nossa dívida pública. Quando o Copom aumenta os juros a cada um ponto, o endividamento público aumenta em cerca de R$30 bilhões. Ou seja, quando a taxa saiu de 2% para 6,25% (atual), foi gerada uma quantia extra de mais de R$100 bilhões. E uma parte do mercado já trabalha com uma elevação de mais de 1% para a próxima reunião, na semana que vem, e dois dígitos para o próximo ano.

O que esperar da Economia para os próximos dias?

Existe uma tendência a colocar de volta o crédito de confiança no mercado, porque após todas essas repercussões, ela ficou muito abalada. E isso não é algo que se conquiste novamente com facilidade. Com a  quebra do Teto de Gastos, o mercado se sente acuado e sem confiança no governo, portanto, o benefício da dúvida já não existe mais. 

O que precisamos agora é de esforços para que reformas estruturais aconteçam, como medidas de privatizações, e que a contenção de gastos da máquina pública seja uma realidade para não termos um orçamento tão apertado. Também serão necessários esforços para tornar o Brasil um país economicamente viável, pois precisamos receber investimentos estrangeiros. E consequentemente, ter juros mais justos para ter um potencial de crescimento melhor.

Temos agora que aguardar quais serão os próximos passos do Governo, e também do Ministério da Economia, se vamos ter trocas na coordenação, e se ele voltará a ter voz ativa pois, no momento, o Ministério não tem força nos direcionamentos que o Governo dá. 

O Mercado agora começa a reprecificar o Brasil, juros, moeda e bolsa. E também entender até onde a nossa economia vai, se a quebra do Teto de Gastos é algo pontual, ou uma tendência do Governo. A grande questão é o risco Brasil e o prêmio que isso traz, afinal, quanto mais risco, mais alto espera-se que seja o prêmio de investimentos. 

E no que, você, investidor(a) precisa ficar de olho?

Todos os acontecimentos desta semana mostraram o quanto a diversificação de carteira é importante. Investidores com apenas ativos nacionais sofreram muito mais do que investidores com carteiras diversificadas. 

Os investidores de ações e fundos imobiliários, que tendem a ser mais voláteis, foram duramente afetados. Isso se aplica também para quem tem Renda Fixa, pois estes papéis foram bastante desvalorizados, afinal, eles têm novas taxas em decorrência da curva de juros. No fim das contas, tanto Renda Fixa quanto Renda Variável foram afetados, sendo este último com quedas maiores.

Com o IPCA em alta, Renda Fixa ainda é um investimento interessante, pois ativos de longa data estão pagando muito mais. O ideal é fazer a reposição na carteira, ou aguardar a normalização.

No entanto, vale sempre lembrar que toda movimentação brusca gera oportunidades. O cliente que tem liquidez começou a operar com um juros bem mais interessante, e quem tem o perfil mais agressivo, operou bastante bolsa, comprando ativos em baixas, esperando as altas do mercado. Este é um momento de paciência porque não sabemos quando os preços reais dos ativos voltarão à normalidade.

Confira a análise de Rodrigo Franchini em vídeo:

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1