O frio extremo pode afetar a inflação? Entenda - Monte Bravo

O frio extremo pode afetar a inflação? Entenda

18/05/2022 às 10:36

18

Quarta

Mai

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

O Brasil vem enfrentando uma forte queda de temperaturas nos últimos dias, especialmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Em São Paulo, os termômetros já chegaram a registrar sete graus. Em algumas regiões, a sensação térmica pode ser negativa. Mas o frio extremo pode afetar a inflação? Economicamente falando, as baixas temperaturas impactam a população não somente pelo frio, mas pelas contas.

Isto porque esses fenômenos de geadas e ondas de frio impactam a produção de alimentos, especialmente, hortaliças e verduras, que sofrem bastante durante este período, podendo gerar mais um choque inflacionário no preço dos alimentos e provocar impactos em cadeia sobre os preços em geral.

Segundo Luciano Costa, sócio e economista da Monte Bravo, as carnes também podem sofrer aumento de preços, uma vez que as pastagens também são atingidas pelo frio. “De um modo geral, as maiores pressões ficam com os produtos agrícolas, uma vez que temos perda de produção desses produtos de ciclo mais curto, ou seja, que dependem mais do clima para não sofrer nenhum tipo de quebra na produção”, explica.

Leia mais: Alta da inflação: risco ou oportunidade?

Em 2021, durante um período de baixas temperaturas, a inflação dos alimentos in natura acelerou de forma bastante abrupta. Entre agosto e julho, por exemplo, os preços saltaram de -2,21% em julho para 5,12% em agosto, de acordo com o índice de preços da Fundação Getúlio Vargas.

Por outro lado, itens como feijão, arroz, soja e milho, mais resilientes, tendem a sofrer menos impacto.

Do ponto de vista econômico, o maior ponto de atenção é mesmo o da inflação um pouco mais alta, ainda que não seja possível estimar os impactos com precisão. Contudo, caso essa onda de frio permaneça, provavelmente veremos novos aumentos nos preços de alimentos na virada de maio para junho.

“O tamanho e o período da alta vão depender do tempo de duração do frio e das geadas. Ainda é cedo para prever qualquer impacto direto. Mas, ao olhar para o que já aconteceu em outros anos e no ritmo inflacionário dos alimentos, é possível que a população sinta o aumento de preços no próximo mês”, disse Luciano.

Banco Central deve aumentar juros por causa do frio?

Por fim, para o cenário como um todo, Luciano acredita que as baixas temperaturas não devem ser uma grande restrição para o Banco Central em termos de política monetária. “Sabemos que os choques inflacionários de origem climática ocorrem e que são transitórios no sentido de elevar preços. Porém, em um segundo momento, quando os níveis de produção se estabilizam, a tendência é que eles devolvam os impactos sobre os índices de inflação. Portanto, neste caso, pouco adiantaria um ajuste na política monetária a fim de combater os efeitos primários do choque. Nesses casos, a recomendação é a política monetária focar nos efeitos secundários desse tipo de choque, que não deve ser significativo para o cenário de inflação”, explicou.

Artigos Relacionados

  • 02

    Quinta

    Mai

    02/05/2024 às 10:57

    Economia

    Monte Bravo Analisa | Federal Open Market Committee (FOMC) 01.05.2024

    Compartilhe

    CompartilheFed mantém Fed Funds em 5,50%, mas reduz ritmo de venda de treasuries de US$ 60 bilhões para US$ 25 bilhões por mês O FOMC manteve a taxa de Fed Funds (juros base dos EUA) em 5,50% a.a. e avalia que os riscos para o duplo mandato de pleno emprego e inflação evoluíram para um …

    Continue lendo
  • 06

    Quarta

    Mar

    06/03/2024 às 17:34

    Economia

    MONTE BRAVO ANALISA – Por Luciano Costa, economista-chefe da Monte Bravo

    Compartilhe

    Compartilhe🇧🇷 O PIB do 4° trimestre de 2023 teve desempenho em linha com nossa expectativa, mas abaixo do consenso do mercado: – PIB ficou estável na margem no 4° trimestre, ficando em linha com nossa expectativa e abaixo da mediana do mercado (+0,1%). Em termos anuais, o PIB cresceu 2,1%. – A economia encerrou com …

    Continue lendo
  • 31

    Quarta

    Jan

    31/01/2024 às 19:46

    Economia

    Copom reduz taxa Selic para 11,25% a.a.

    Compartilhe

    CompartilheConforme sinalizado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa Selic em 50 p.b. trazendo a taxa Selic para 11,25% ao ano. No Comunicado, o COPOM justificou a decisão, da seguinte forma:  Ambiente externo segue volátil, e marcado pelo debate sobre o início do corte de juros nas principais economias –  em …

    Continue lendo

Fechar

Loading...