29/10/2021 às 18:50

29

Sexta

Out

4 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Bruno Madruga, Sócio e Head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos

A inflação vem preocupando o mercado e, claro, os investidores brasileiros. Com a disparada dos preços de insumos, alimentos, gás, gasolina e dólar, a visão de que a alta da inflação seria transitória já caiu por terra. Essa preocupação vem provada em um levantamento divulgado nesta sexta-feira, 29, pelo grupo suíço UBS.

A pesquisa foi realizada com 150 investidores e 50 empresários no Brasil com ao menos US$1 milhão em investimentos ou receitas anuais. No mundo, mais de 3 mil investidores foram ouvidos. O período do estudo, no entanto, não abrange a piora da percepção fiscal no país, depois do furo no teto de gastos. Também ficou de fora a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom), que decidiu apertar a Selic, ficando em 7,75% ao ano.

Antes de te explicar por que está tudo tão caro no Brasil e como isso impacta os seus investimentos, é importante eu te contar o que é a inflação e como funciona o processo inflacionário.

O que é a inflação?

A inflação é, de uma forma simplificada, o aumento dos preços de bens e serviços. Ela aumenta quando há um desequilíbrio entre a demanda dos consumidores por algo e a oferta insuficiente de produtos ou o contrário. Ou seja: ela impacta diretamente o poder de compra da população. 

O momento que vivemos é um retrato disso. Com a chegada da pandemia do coronavírus, a oferta de diversos produtos foi afetada em todo mundo. A procura, no entanto, continuou semelhante – e agora está em crescimento. Mesmo com a retomada de alguns setores pós-vacinação, o ritmo de recuperação ainda é lento. A crise mundial impacta diretamente no valor do dólar, moeda referência, que ultrapassa R$5,50. E isso, você já sabe, provoca um aumento nos preços de diversos insumos aqui e em outros países.

As condições climáticas também garantem o forte impacto na produção. Aqui no Brasil, por exemplo, a alta do açúcar é provocada pelo prolongamento da seca e do temor de geadas. É um efeito cascata: Dólar sobe, fica difícil comprar insumos, os produzidos ficam caros para a população. Esta, por sua vez, para de comprar e toda cadeia fica prejudicada. 

No Brasil, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é o que mede a inflação. Através dele, é estimado o custo de uma cesta de produtos e serviços que reflete padrões e hábitos de consumo de famílias brasileiras com renda mensal de 1 a 40 salários mínimos.

Em outubro, o IPCA foi a 1,20%. A taxa é 0,06 ponto percentual acima da taxa de setembro (1,14%). Foi a maior variação para o mês de outubro desde 1995. Com a escalada da inflação, o Banco Central já sinalizou aumentos mais intensos da taxa básica de juros. 

E qual o impacto disso? No cenário atual do Brasil, o Banco Central sobe a Selic para deixar o custo do crédito mais caro e, assim, controlar o IPCA. Juros baixos fazem com que o crédito fique mais barato, o que facilita a tomada de recursos para os investimentos de empresas e consumo da população. Mas isso não vem acontecendo.

Com a Inflação alta sendo mais longa que o previsto, o Banco Central se viu obrigado a aumentar os juros. Na penúltima reunião do Copom, a Selic subiu de 5,25% para 6,25%, e o Banco Central indicou que esse ciclo de alta poderia ser maior.

Esse cenário também provoca aumento do custo da dívida pública, uma vez que as taxas de juros têm de compensar o efeito da inflação e incluir um prêmio de risco para equilibrar as incertezas provocadas pela alta de preços. 

Como a inflação impacta os seus investimentos?

No mercado financeiro, sempre que há uma crise, falamos em oportunidades. E, embora esse momento seja delicado economicamente, ele apresenta chances de ganhos para os investidores mais atentos às movimentações do mercado, na renda fixa e na variável. 

Em primeiro lugar, é importante pensar nos produtos que estão ficando caros: quais os alimentos e commodities? Quem são as produtoras desses insumos? Neste momento, elas estão lucrando mais. Vou te dar um exemplo: O combustível está caro, certo? O último resultado trimestral da Petrobras mostrou um forte ganho aos acionistas. A empresa aprovou o pagamento de nova antecipação da remuneração relativa ao exercício de 2021 no valor de cerca de R$32 bi. Outro exemplo? O preço da carne está alto. Já pensou em olhar para frigoríficos? Podem ser boas opções no momento.

Se você não é fã da renda variável ou se, sabiamente, diversifica seus investimentos, a renda fixa também apresenta oportunidades. A atenção deve ser especial para os ativos atrelados ao IPCA. O mesmo vale para títulos privados, CRIs, CRAs e debêntures que pagam o IPCA + taxa fixa. Com o aumento da Selic, o CDI também cresce, tornando-se novamente atrativo para o(a) investidor(a).

É claro que esses investimentos precisam ser estudados e avaliados de acordo com o seu perfil e objetivos. Meu ponto aqui é: existem oportunidades. E este é o momento de avaliá-las e adequá-las ao que você planeja. Converse com seu(a) assessor(a) de investimentos.

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1