30/05/2022 às 11:39

30

Segunda

Mai

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Pouco apreciado por investidores e gestores, o come-cotas é um assunto bastante discutido no mercado nesta época do ano. Ele nada mais é do que uma antecipação do Imposto de Renda de quem investe em alguns fundos de investimentos específicos – especialmente os abertos. Sua incidência ocorre no último dia útil de maio e novembro, todos os anos. Em 2022, isto deve acontecer no dia 31 de maio.

Esta cobrança varia conforme a modalidade e duração do fundo, em uma tabela progressiva que vai de 15% a 20% sobre a valorização das cotas. De forma resumida, quanto maior for o tempo de investimento, menor será o imposto. 

Neste ponto, vale ressaltar que, por sofrer esta taxação ao longo do tempo, quando há o resgate do valor do investimento, não há cobrança de IRRF (Imposto Sobre Renda Retido na Fonte). 

Além disso, a base de cálculo, como dissemos acima, levará sempre em consideração os ganhos com a operação e não o principal, ou seja, a quantia investida inicialmente. 

Entre os tipos de fundos que sofrem com a taxação, estão os de renda fixa (inclusive os DI), multimercados, crédito privado, cambiais e ouro. Já aqueles voltados para ações, fundos fechados e de previdência, imobiliários e debêntures incentivadas possuem isenção sobre os rendimentos para pessoa física. 

Em resumo, ao optar por uma modalidade que sofra a incidência do imposto do come-cotas é importante que o investidor tenha um horizonte de médio e longo prazo. Isto porque a cada novo pagamento, a quantidade de cotas detidas é reduzida e o ganho líquido diminuído. 

Caso o resgate seja feito antes de seis meses, a alíquota cobrada começa em 22,5%. Para chegar aos 15% descritos anteriormente, é preciso deixar o dinheiro na aplicação por mais de 720 dias. 

Em valores iniciais, esta diferença pode não ser tão relevante, mas se considerado um horizonte maior de investimento, os valores de impostos pagos podem ser consideráveis. 

Do lado do investidor, é importante ter atenção a esses detalhes e compreender exatamente as regras das modalidades para formar uma carteira equilibrada. 

Artigos Relacionados

  • 17

    Sexta

    Jun

    17/06/2022 às 15:00

    Economia

    Fed e Copom: como os aumentos dos juros impactam os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilheO Federal Reserve, dos Estados Unidos, e o Comitê de Política Monetária brasileiro, o Copom, anunciaram as decisões de elevar juros na última Super Quarta, dia 15. O Fed realizou aumento de 0,75 ponto percentual, para uma faixa de 1,5% a 1,75%. Este foi o primeiro e o maior aumento dessa magnitude desde 1994. Já […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 18

    Quarta

    Mai

    Frio impacta lavouras e pode alterar preços para o consumidor final

    18/05/2022 às 10:36

    Economia

    O frio extremo pode afetar a inflação? Entenda

    Compartilhe

    CompartilheO Brasil vem enfrentando uma forte queda de temperaturas nos últimos dias, especialmente nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste. Em São Paulo, os termômetros já chegaram a registrar sete graus. Em algumas regiões, a sensação térmica pode ser negativa. Mas o frio extremo pode afetar a inflação? Economicamente falando, as baixas temperaturas impactam a população […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1