O BC, a âncora fiscal e a inflação - Monte Bravo

O BC, a âncora fiscal e a inflação

18/06/2024 às 11:29

18

Terça

Jun

3 minutos de leitura
Compartilhar
A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2023 em 4,62%, voltando a ficar dentro do intervalo de tolerância da meta depois de dois anos acima do teto.
Alexandre Mathias, estrategista-chefe da Monte Bravo Corretora

A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2023 em 4,62%, voltando a ficar dentro do intervalo de tolerância da meta depois de dois anos acima do teto.

Em 2023, comemoramos 25 anos do regime de metas de inflação no Brasil. O IPCA acumulado neste período foi de 364,5%. Para quem se assustou, é bom lembrar que nos 18 anteriores à implementação das metas o IPCA acumulou estarrecedores 19.147.435.818.399,8%!  

Desde 1999, quando o Brasil adotou o regime, foram 19 anos com o IPCA acima da meta e apenas seis anos abaixo da meta. O IPCA superou o teto em 2001, 2002, 2003, 2015, 2021 e 2022, acumulando um desvio além do teto de 23,1%. Mas ficou abaixo do piso apenas em 2017, com um desvio de 0,05%.

A média anual do IPCA desde 1999 é de 6,3%, enquanto a inflação média nos Estados Unidos — medida pelo Índice de Preços ao Consumidor (CPI) — foi de 3,6%. É interessante notar que nos três anos fechados em 2023, ou seja, desde a pandemia, o IPCA médio foi de 6,8% frente a uma média de 5,6% do CPI nos EUA. Isto indica que nosso diferencial de inflação contra os países desenvolvidos tem caído.

Mas a manutenção da estabilidade de preços requer o apoio da política fiscal. Não há política monetária eficiente sem uma política fiscal crível. A percepção de que a dívida evoluirá sob controle é fundamental pois, caso contrário, a nossa história aponta para a monetização inflacionária da dívida.

O risco fiscal cresceu com a mudança das metas do arcabouço e diante da dificuldade de obter as receitas necessárias. Com isso, a âncora fiscal para uma dívida que é cara, curta e crescente se fragilizou. O aumento da percepção de risco elevou o dólar e as expectativas de inflação, reduzindo o espaço dos cortes — o que piora a perspectiva de crescimento da economia.  

De 2010 a 2015, o Brasil adotou uma política fiscal expansionista e contou com um Banco Central leniente que não atuou frente ao aumento das expectativas e deixou a inflação subir para 10,7% em 2015.

A elevação do risco fiscal empurrou o dólar para cima, deteriorou as expectativas de inflação e a própria inflação, resultando em juros de mercados mais altos, mesmo com o BC mantendo uma Selic baixa. O resultado da “Nova Matriz Econômica” foi a maior recessão da história desse país — a única 100% Made In Brazil, gerada sem o gatilho de uma crise externa.

A compreensão deste sequenciamento é essencial. O dólar reage à percepção de risco, sobretudo fiscal e as expectativas — dado o hiato do produto — influenciam a inflação que, por sua vez, limita o espaço para o BC atuar.

A fragilização da âncora fiscal, na esteira da mudança das metas do arcabouço elevou o prêmio de risco e exacerbou o risco de desancoragem. Isto gerou a percepção de que uma ala do governo contempla caminhar numa dinâmica similar ao ciclo de 2010-15, com fiscal em expansão e a inflação subindo sem uma reação do BC.

Este risco contaminou a taxa de câmbio, de maneira até surpreendente para um país que tem superávit comercial da ordem de US$ 100 bilhões. Um quadro que implica em viés de alta para o IPCA, mesmo desconsiderando os efeitos da tragédia no Rio Grande do Sul.

Nossas projeções apontam para um IPCA de 4,25% em 2024, ligeiramente abaixo do teto de 4,5%. E as estimativas do mercado, hoje em 3,90%, também estão em alta. Além disso, o impulso fiscal pressiona a demanda enquanto a insegurança jurídica atrapalha os investimentos e, pior de tudo, o cenário de consolidação fiscal ficou incerto.

Nesse contexto, a opção pela interrupção do ciclo de queda da Selic, mantendo a taxa em 10,50% a.a., parece recomendável para quem busca a meta de 3%.

Por fim, é fundamental que o compromisso com o arcabouço fiscal seja reafirmado como uma política de governo, impedindo que se dissemine a noção de que a Fazenda está isolada e enfraquecida nesta batalha fundamental.

Com a economia crescendo em torno do potencial, a inflação sob controle e o cenário melhorando lá fora; precisamos de um choque de credibilidade fiscal que proporcione a queda do risco, do dólar e das expectativas de inflação para que seja possível voltar a reduzir a Selic em 2025 com consistência.

Alexandre Mathias é estrategista-chefe da Monte Bravo Corretora. Em 1998, defendeu a dissertação: “Metas de Inflação: uma nova abordagem para a política monetária” na FGV, o 1º trabalho acadêmico sobre o tema no Brasil.

O Artigo de opinião foi publicado no Valor Econômico.

Artigos Relacionados

  • 15

    Segunda

    Jul

    15/07/2024 às 11:16

    Sala de Imprensa

    Atentado contra Trump: como vai repercutir no mercado hoje

    Para analistas, o atentado contra Trump, consolida o candidato republicano como favorito na disputa à Casa Branca; veja as consequências O mercado hoje tende a abrir com valorização do dólar contra as moedas emergentes, inclusive o real. Além disso, o investidor nesta segunda-feira (15) pode ficar receoso com uma possível vitória do candidato republicano Donald Trump, nas eleições presidenciais dos …

    Continue lendo
  • 12

    Sexta

    Jul

    12/07/2024 às 17:40

    Sala de Imprensa

    FII Fechado: Monte Bravo faz distribuição para JHSF Capital e eB Capital

    A JHSF Capital e a eB Capital concluíram a primeira tranche de captação do fundo de investimento imobiliário (FII) focado em imóveis residenciais no segmento de alta renda que as duas gestoras criaram em parceria no ano passado. Com distribuição da Monte Bravo Corretora, que levantou R$ 146,5 milhões, a oferta fechou num total de …

    Continue lendo
  • 10

    Quarta

    Jul

    10/07/2024 às 10:11

    Sala de Imprensa

    Oferta de CRIs: parceria Monte Bravo e Edificatto é destaque

    Projetos imobiliários atraem setor financeiro O montante levantado pela corretora de investimentos Monte Bravo será investido no Terraz Condomínio Clube, um empreendimento da Edificatto Empreendimentos em Primavera do Leste (240 km de Cuiabá) e outras cidades-polo do agronegócio chamam a atenção do mercado financeiro. Com projetos arrojados, a Edificatto Incorporadora se aliou à corretora de …

    Continue lendo

Fechar

Loading...