Dinâmica benigna para ativos de risco - Monte Bravo

Dinâmica benigna para ativos de risco

27/05/2024 às 11:09

27

Segunda

Mai

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Dinâmica benigna para ativos de risco

O curso de uma desinflação raramente é suave e linear. Nos EUA, depois de um último trimestre benigno em 2023, o núcleo do PCE – índice que o Federal Reserve (Fed) usa como alvo – ficou mais alto do que o esperado no primeiro trimestre de 2024. Ao mesmo tempo, a economia americana seguiu robusta, reforçando as preocupações com a convergência da inflação.

Após cair para uma média de 1,9% ao mês em termos anualizados no segundo semestre de 2023, o núcleo do PCE acelerou para uma média de 4,4% em termos anualizados no primeiro trimestre de 2024.

À medida que os dados frustraram a expectativa, o mercado revisou a trajetória dos juros. A revisão provocou um aumento nas taxas de juros dos títulos do governo dos EUA desde a virada do ano. O movimento fortaleceu o dólar norte-americano, derrubou os ativos de risco no mundo inteiro e foi magnificado pela divergência no ciclo em um momento em que a maioria dos países está desacelerando e antecipando os cortes de juros.

Se o núcleo do PCE retomar a tendência de desinflação conforme é esperado, o Fed terá espaço para cortar os juros no segundo semestre. No cenário que chamamos de “inflação convergente”, ao qual atribuímos 65% de probabilidade, e a economia dos EUA desacelera ao longo do segundo trimestre, o núcleo da inflação recuará para 2,5% em junho, o que permitirá ao Fed cortar os juros três vezes a partir de setembro. Com a inflação na trajetória da meta no próximo ano, o Fed seguirá cortando, levando os Fed Funds até 3,75% em 2025.

Diante da incerteza do cenário externo e interno, o Copom reduziu o ritmo dos cortes da Selic e nos obrigou a revisar a taxa Selic do final do ciclo para 10% a.a. Apesar do impacto que a turbulência global causa para a taxa de câmbio, o regime de metas de inflação sugere que o Copom reaja aos desvios da inflação em relação à meta – e não ao diferencial de juros externos.

É razoável vislumbrar um cenário de juros mais altos e dólar mais forte, mas por apenas alguns meses, pois a inflação em queda no segundo trimestre recriará a dinâmica favorável aos ativos de risco no segundo semestre.

Os Fed Funds somente chegaram à atual faixa – de 5,25% a 5,50% – em julho de 2023. Se considerarmos a defasagem de nove a 12 meses, seria esperado que os efeitos realmente apareçam de maneira mais clara ao longo do segundo semestre.

Além disso, analisando a abertura do núcleo do PCE, o entendimento é que a pressão nos últimos meses tem componentes transitórios que devem perder força, e o item habitação deve ter uma contribuição desinflacionária mais forte. A diferença entre os aluguéis de novos e antigos diminuiu, o que cria a perspectiva de que retornem ao ritmo pré-pandemia.

É possível fazer uma previsão de que a média mensal anualizada do núcleo do PCE retornará a 2,2% ao longo dos próximos trimestres, levando a taxa anual dos atuais 2,8% para perto de 2,5% a partir de meados do ano.

Se há razões para otimismo, é preciso reconhecer também que o risco de que a inflação permaneça resistente nos EUA subiu. O cenário alternativo, de inflação persistente nos EUA, teve sua chance elevada para 35%. Nesse cenário, a economia americana não desacelera e o núcleo da inflação se mantém em torno de 3%, o que impediria cortes em 2024 e deixaria as taxas de dez anos oscilando perto de 5% pelo restante do ano. Nesse caso, os ativos de risco – no Brasil e no mundo – teriam um desempenho bem menos positivo.

A variável crítica para saber qual cenário está se configurando será a trajetória do núcleo da inflação ao longo do trimestre e os dados de atividade e de emprego. Núcleo da inflação em queda sancionará o cenário-base, caso contrário, teremos um ambiente mais desafiador para a economia e para os ativos.

Alexandre Mathias: estrategista-chefe da Monte Bravo Corretora. Mestre em economia pela FGV-SP; graduado em economia pela Universidade São Paulo.

Artigo publicado no jornal O Tempo

Artigos Relacionados

  • 18

    Terça

    Jun

    18/06/2024 às 11:29

    Sala de Imprensa

    O BC, a âncora fiscal e a inflação

    Compartilhe

    A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou 2023 em 4,62%, voltando a ficar dentro do intervalo de tolerância da meta depois de dois anos acima do teto.

    Continue lendo
  • 17

    Segunda

    Jun

    17/06/2024 às 12:11

    Sala de Imprensa

    IPCA: Luciano Costa no Jornal da Globo

    Compartilhe

    CompartilheO Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, mostrou que os preços subiram 0,46% em maio. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A alta nos preços foi puxada, sobretudo, por um avanço no grupo de Alimentação e bebidas, que subiu 0,62% na comparação …

    Continue lendo
  • 17

    Segunda

    Jun

    Ibovespa fecha abaixo dos 128 mil pontos ainda impactado por CPI dos EUA

    17/06/2024 às 11:50

    Sala de Imprensa

    Dólar encerra a semana com alta

    Compartilhe

    O dólar encerrou a sessão da sexta-feira (14), em alta moderada, alinhado à onda de fortalecimento da moeda americana no exterior, mas se manteve abaixo da linha de R$ 5,40.

    Continue lendo

Fechar

Loading...