07/05/2021 às 09:54

07

Sexta

Mai

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

Já estamos quase na metade de 2021, mas os efeitos de 2020 ainda são sentidos fortemente, sobretudo por conta da Pandemia. A economia no Brasil não deslancha. As projeções para o PIB deste ano sofrem novas correções todas as semanas (quase sempre para baixo) e o dólar acima de R$ 5 destrói o poder de compra dos brasileiros. Isto sem falar nos riscos políticos.

Diante deste cenário, é fundamental que o investidor busque alternativas que possam ir além de simplesmente migrar da renda fixa para a variável. E uma forma de fazer isso é diversificar em ativos do exterior.

Em geral, quando falamos de diversificação internacional, é comum pensar em S&P 500NasdaqSTOXX 600 Europe talvez.

Contudo, há uma mudança em curso na economia mundial e em alguns anos a China se tornará a maior potência do mundo, passando a americana. Claro que a Ásia como um todo ocupa posição de destaque, mas deixaremos para falar sobre isso em outro momento.

A grande questão é que o PIB Per Capita chinês tem aumentado ano após ano com sua classe média ganhando cada vez mais força. Sua economia já não é mais tão fechada como em outros tempos (foi a única a crescer em 2020) e os investimentos estatais são direcionados de forma muito clara para questões estratégicas.

O que eu quero dizer é que está claro que os chineses têm investido fortemente em infraestrutura e desenvolvimento tecnológico em diferentes áreas. Em um webinar sobre investimentos na Ásia promovido pela Monte Bravo, Gabriela Santos, Estrategista Global, do JP Morgan, destacou um ponto interessante sobre a China.

Segundo ela, o país deixou de ser a fábrica do mundo e passou a ocupar a posição de consumidor do mundo. Antes eram produzidas bolas de futebol pelas fábricas chinesas e ao longo do tempo, passaram a produzir camisas de times de futebol, passando para computadores, chips que vão dentro dos computadores e até softwares com valor agregado muito grande.

Há uma clara percepção de que eles estão evoluindo dentro da cadeia de produção mundial. E algo parecido ocorre com a região de Taiwan e Coreia do Sul. De acordo com Gabriela, eles são líderes globais na produção de semicondutores, o chamado “petróleo do século XXI”.  

Para assistir ao MB Insights sobre investimentos na Ásia, clique aqui.

Mas como o mercado chinês funciona na prática? Quais os riscos para o investidor?

Vale destacar que o mercado de capitais chinês foi aberto para investidores estrangeiros ainda nesta década. Por isso, a participação de recursos externos ainda é relativamente baixa quando consideramos o tamanho da economia.

Contudo, a bolsa chinesa já ocupa a segunda maior posição em volume de negociação no mundo. Por esses motivos e os demais descritos anteriormente, as ações de empresas chinesas têm um potencial enorme de valorização nos próximos dez anos.

Também é importante chamar a atenção para as características deste mercado. Por ser algo relativamente novo e com pouca presença estrangeira, ele obedece a um padrão bastante descorrelacionado do restante do mundo e geralmente apresenta uma volatilidade muito grande.

Inclusive, é importante chamar atenção para a questão da intervenção estatal. Existem muitas empresas listadas, boa parte delas privadas, mas acompanhadas de diversas estatais, o que não costuma ser bom para os mercados.

Além disso, algumas questões de transparência nos resultados divulgados pelas companhias eventualmente são alvo de problemas.

Existem diversas opções de companhias disponíveis e fazer o gerenciamento deste portfólio pode não ser tarefa das mais simples. Isto sem falar na questão operacional de levar o dinheiro para fora do país.  

Hoje, as opções disponíveis no mercado brasileiro são relativamente escassas. Existem gestoras com fundos voltados para esta temática (para investidores qualificados) e os BDRs de ETFs. Mas acredito que este cenário deve mudar em um futuro próximo.

Conclusão

A minha dica para o investidor é que ele deve buscar a diversificação e deve olhar sim para ativos no exterior como uma estratégia de longo prazo. No entanto, é preciso ter cuidado com as “Balas de Prata” dos mercados.

Se você tem dúvidas sobre o assunto, procure a ajuda de um profissional e estude para que o seu horizonte de opções seja cada vez maior. 

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1