23/07/2021 às 10:02

23

Sexta

Jul

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

A Pandemia causada pelo Covid-19 acelerou diversos processos já em curso no mundo todo, entre eles a digitalização e, mais importante, uma maior conscientização socioambiental. Em meio a este cenário, vimos o surgimento de carros elétricos, reflexo da emissão de gases, e o nascimento da internet 5G. Os dois juntos, sem dúvida, vão transformar as relações e pressionar ainda mais a demanda por energia elétrica em todo o planeta. 

De acordo com o artigo “O Planejamento e o Futuro do Setor Elétrico Brasileiro”, divulgado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), os países em desenvolvimento já respondem por 50% de todo o consumo de energia do mundo. E que até 2035 emergentes como Índia, Brasil, China e Rússia devem aumentar a demanda em pelo menos 50%. 

Em um webinar promovido pela Monte Bravo, Jose Luiz Torres Jr, sócio e analista da Apex Capital, ressaltou o aumento da capacidade de geração eólica do Brasil nos próximos anos, que passará de 15 gigawatts (GW) para 40 até 2030, um aumento de cerca de 160%. 

Além disso, para ele, o movimento de produção e uso de etanol iniciado no país foi muito interessante, e a Índia também tem feito algo parecido com o uso de biocombustíveis. Caso ganhe corpo, tal estratégia pode mudar o panorama mundial do mercado de açúcar.   

Torres também destacou algumas empresas que podem capturar este movimento na bolsa brasileira em um futuro não tão distante. Vale destacar que esta não é uma recomendação. Sempre destaco nos artigos a importância de estudar os cases e buscar a ajuda de um profissional para tomar as melhores decisões de investimentos. 

Neste sentido, companhias como Eneva (SA:ENEV3), Ômega Energia (SA:OMGE3), Cosan (SA:CSAN3) e Raízen, segundo ele, estão bem posicionadas no mercado para aproveitar esta mudança de matriz energética. 

Obviamente que cada uma buscará seus resultados de formas distintas. Não cabe aqui comentar o racional de todas elas em detalhes, mas a Eneva, na visão de Torres, é uma empresa que tem capacidade de continuar gerando valor aos acionistas ao longo do tempo. 

A Omega, por outro lado, se destaca pela forte atuação no segmento de energia eólica com cerca de 10% do market share brasileiro e a Raízen tem tudo para ser uma das maiores produtoras de biocombustíveis do Brasil e do Mundo na visão do analista. 

Por último, ele destacou a potência da Cosan, bastante conhecida pelo mercado, que tem uma estrutura de holding diversificada nos setores de energia e infraestrutura. 

Se você ainda tem dúvidas sobre as mudanças em curso, busque se informar. Diversos ativos sofrerão mudanças significativas, sejam negativas ou positivas. É fundamental que o investidor esteja posicionado da melhor forma para se proteger e aproveitar os movimentos do mercado. Bons negócios!

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1