20/08/2021 às 10:00

20

Sexta

Ago

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

A formação de um patrimônio muitas vezes é algo que leva várias gerações para ser concretizada e, obviamente, não é tarefa das mais simples. Exige tempo, esforço e assertividade. Porém, tão importante quanto a sua criação, a perpetuação patrimonial para as próximas gerações deve ser observada com cuidado e o quanto antes.

Em primeiro lugar, vale uma breve explicação do que é e para o que serve a sucessão patrimonial. Ela nada mais é do que uma estratégia utilizada para organizar bens e direitos que serão divididos entre herdeiros, sejam da família ou não. O grande foco desta ferramenta é evitar eventuais disputas judiciais e gastos excessivos na transmissão da herança. Isto sem falar na questão do tempo. 

Um processo de inventário iniciado após a morte pode levar até três anos para ser concluído com a inutilização dos bens durante o período. Por isso é importante tratar dessa questão com urgência.  

Para ilustrar, vamos tomar como exemplo uma família que ao longo de quatro ou cinco décadas conseguiu acumular um patrimônio avaliado em R$5 milhões. Um processo de transmissão comum teria um custo de cerca de 15%, ou seja, algo próximo de R$750 mil. 

Neste ponto, é importante comentar sobre o ITCMD, o imposto sobre herança. Em alguns locais chega a ter uma alíquota de 8% (é estadual).  

Para diminuir este tipo de gasto, muitas pessoas têm buscado alternativas e falarei sobre algumas a seguir.  

Quando planejamos a transmissão de bens, existem investimentos que podem fazer mais sentido do que outros. Fica clara, neste ponto, a importância da educação financeira como parte da criação dos filhos. 

Ao tomar conhecimento desses detalhes financeiros, os herdeiros têm uma capacidade muito maior de gestão e isso pode fazer toda a diferença no futuro. 

Para economizar com a sucessão, instrumentos como os fundos de previdência privada e a conta conjunta podem ajudar. Ambos são isentos do ITCMD junto com o seguro de vida, porém, também possuem isenção de Imposto de Renda. 

A criação de uma holding familiar detentora de todo o patrimônio também pode ser uma ideia dentro do plano. Os beneficiários, neste caso, podem optar por receber cotas da empresa e vendê-las quando assim desejarem. 

Por fim, existem ainda uma série de instrumentos que podem ser aproveitados, mas não caberia em um só texto falar sobre todos eles. O planejamento sucessório é algo complexo e que deve ser estudado com calma por cada grupo familiar.

Se preciso, não deixe de buscar a ajuda de um profissional. Por envolver temas complexos que envolvem tributação e leis, todo cuidado é pouco. Bons negócios!

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1