30/03/2022 às 16:14

30

Quarta

Mar

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

O Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No entanto, é importante ressaltar que o investidor tem as perdas e ganhos máximos limitados nestes casos.

Para realizar um collar é preciso ter a presença de três componentes: o ativo negociado, uma call – a venda de uma opção de compra – e a put – a compra de uma opção de venda. Por isso, a estratégia é considerada uma operação casada.

Por exemplo: um investidor tem 1000 ações em carteira adquiridas a R$20 cada. Ele, então, compra a mesma quantidade em opções de venda (put) com um preço de exercício (strike) em R$22 e vende 1000 opções de compra (call) com strike em R$24.

Ao lançar uma call, o investidor acredita que o preço das ações vai ficar abaixo do preço de exercício. Assim, não é vantajoso para o comprador realizar a compra. Dessa forma, o investidor lucra com o prêmio da venda da call e não precisa entregar a ação ao comprador.

Leia também:

Quais as tendências e onde investir em 2022?

15 desistências de IPO´s – o que nos aguarda para 2022?

O IOF vai acabar até 2029

Ao comprar as opções de venda (put), o investidor garante o direito de vender os ativos pelo valor de R$20. Dentro de um collar, caso haja uma baixa no mercado e as ações passem a ser cotadas a R$18, por exemplo, o lançador da put deverá comprar de volta os ativos a um preço maior, fazendo com que o investidor do collar ganhe na operação.

O risco deste tipo de estratégia está na falta de disciplina para o acompanhamento. Por isso, é fundamental ter o acompanhamento de uma assessoria de investimentos e lembrar que, embora seja uma estrutura protetiva, é importante que ela esteja alinhada ao perfil do investidor (neste caso, aqueles com perfil mais arrojado e disposto a riscos). Também vale lembrar que este tipo de operação não deve ser feito com recursos dos quais o investidor precisará em curto prazo.

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 16

    Quarta

    Mar

    Aplicativo da Receita Federal

    16/03/2022 às 15:56

    Economia

    Como declarar ações no Imposto de Renda de 2022?

    Compartilhe

    CompartilheCom o aumento da quantidade de investidores no mercado de ações, muitos contribuintes começarão a fazer a declaração de operações na bolsa de valores no Imposto de Renda. O período para declarar vai até o dia 29 de abril. Mas o que é importante saber e como declarar ações no IR 2022? “Se você opera […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1