23/03/2022 às 11:57

23

Quarta

Mar

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

O governo brasileiro editou um decreto para reduzir a zero o IOF em operações com moeda estrangeira até 2029. A medida é uma das obrigações a serem cumpridas pelo Brasil para adesão à OCDE. Além dessa mudança, o órgão ainda exige uma série de outras medidas – especialmente fiscais e de contenção inflacionária – que têm como objetivo tornar o país mais atrativo para investimentos estrangeiros. Se aprovada a entrada do Brasil, a economia ganhará um “selo” de confiança no mercado internacional. Atualmente, quem faz uma compra internacional com cartão de crédito em moeda estrangeira paga 6,38% de IOF sobre o valor.

De acordo com o Ministério da Economia, a mudança cria um cenário mais favorável para transações internacionais e de investimentos de curto ou longo prazos, além de pagamentos de serviços. Dessa forma, não haverá discriminação entre os agentes econômicos que desejarem operar no Brasil.

Com o fim do IOF, o país deixará de arrecadar 7,7 bilhões de reais em 2029.

Como vai funcionar?

O corte do imposto vai contemplar quatro grupos de incidência do IOF cambial. O primeiro é composto pelas operações de curto prazo e o segundo vai abranger transações com cartões de crédito ou débito, cheques de viagem e cartões pré-pagos internacionais. O terceiro englobará operações de câmbio para aquisição de moeda estrangeira à vista no Brasil e para transferência de recursos de residentes no país para disponibilidade no exterior. O quarto grupo vai tratar das demais operações de câmbio.

Como você, investidor(a), se beneficia?

Com a medida, o Brasil tende a ganhar mais competitividade como mercado e atrair mais investimentos, uma vez que poderá acessar empréstimos no exterior com o IOF, trazendo juros mais atrativos para empresas. Também facilita o acesso ao mercado de capitais, com a entrada de recursos para mercado especulativo.  

“Com tudo isso, o investidor pode ver um mercado mais pulsante, mais profissional, mais institucionalizado o que, às vezes, por esse fluxo ser mais consistente, se torna até um pouco menos volátil. Esse fluxo de entrada também melhora muito as perspectivas das nossas bolsas, com maior atratividade e avaliação das nossas empresas, melhorando também a economia como um todo”, explica Rodrigo Franchini, head de Relações Institucionais da Monte Bravo.

Artigos Relacionados

  • 05

    Quinta

    Mai

    05/05/2022 às 12:06

    Outros

    Fed e Copom: como podem impactar os seus investimentos?

    Compartilhe

    CompartilheNesta semana, o Comitê de Política Monetária do Banco Central brasileiro e o Federal Reserve, dos EUA, subiram os juros. O Copom subiu a meta para a Selic em mais 1 ponto percentual, para 12,75% ao ano. Já o Fed elevou em 0,50 ponto percentual as taxas de juros, para o intervalo entre 0,75% e […]

    Continue lendo
  • 20

    Quarta

    Abr

    Spacs podem ser feitas no Brasil

    20/04/2022 às 16:44

    Outros

    O que são Spacs e como elas funcionam?

    Compartilhe

    CompartilheNo início do mês de abril, a Bolsa de Valores brasileira, a B3, divulgou um guia para a criação de Spacs no Brasil. Elas são companhias que não têm a pretensão de comercializar produtos ou desempenhar uma atividade diretamente. Com isso, a B3 referenda a visão de que não existe impedimento legal ou qualquer tipo […]

    Continue lendo
  • 14

    Quinta

    Abr

    14/04/2022 às 16:52

    Outros

    VTEX Day: insights para negócios

    Compartilhe

    CompartilheNesta semana aconteceu em São Paulo o #VTEXDay, evento que reúne as principais tendências de e-commerce e varejo do Brasil e do mundo. A Monte Bravo esteve presente na cobertura do evento para trazer para você os principais insights de negócios, tecnologia e liderança. 1 – Live shopping Com início na China, pela gigante Alibaba. […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1