17/12/2020 às 09:37

17

Quinta

Dez

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Quem assiste aos jornais ou acompanha as notícias pela internet percebe uma constante preocupação com o valor que o dólar está custando. Muita gente pensa que isso só importa para pessoas com grande poder aquisitivo, mas isso não é verdade. 

A moeda norte-americana se tornou uma espécie de balizador de boa parte dos negócios internacionais – o que, em uma economia globalizada, significa dizer que é um parâmetro importantíssimo a ser acompanhado.

Por que o dólar é importante para o Brasil?

Vamos a um exemplo prático: o Brasil é o terceiro maior exportador de alimentos do mundo, principalmente as commodities, que são os produtos agrícolas padronizados. Imagine a confusão que seria se cada país negociasse esses produtos na moeda local, fazendo a conversão diária com a moeda brasileira. 

Ao associar esses negócios ao dólar, o comércio internacional cria uma espécie de moeda única, cabendo aos vendedores converterem seus ganhos no dinheiro corrente de suas nações.

O mesmo vale para as importações. O país também importa matéria-prima para a indústria, e esses insumos são cotados em dólar. Se a moeda norte-americana está supervalorizada com relação ao real, essa aquisição fica mais cara e o produto final chega mais salgado na casa do consumidor.

Se o real está competitivo, a importação fica mais “barata” e o preço final também pode ser amigável.

Não é nem preciso lembrar que quem investe em dólar também ganha ou perde com essas oscilações – mas antes de falar no investimento propriamente dito, vamos aos “tipos” de dólar negociado todos os dias.

Dólar comercial

Esse é o valor da moeda norte-americana mais comum nas transações comerciais entre os países, e a cotação é acompanhada com expectativa por exportadores, importadores, compradores e vendedores da moeda estrangeira. Sua cotação varia conforme as vendas da moeda lá fora e aqui dentro e o comportamento macroeconômico do comércio internacional.

Dólar turismo

Esse é mais conhecido do público em geral, sobretudo entre quem faz viagens para fora do Brasil. Normalmente cotado alguns centavos acima do dólar comercial, o dólar turismo pode ser adquirido diretamente nas casas de câmbio com a cotação do dia. 

Quem já voltou do país e pretende vender o que sobrou pode ter uma desagradável surpresa: o preço para venda é outro, menor que o da compra.

Dólar paralelo

Negociado de maneira extra oficial, o dólar paralelo era mais comum nos períodos de hiperinflação e falta de mecanismos de controle fiscal e tributário. 

Consistia na venda direta de terceiros, sem recolhimento de impostos e aviso aos órgãos de controle financeiro, o que, dependendo da circunstância e do volume negociado, poderia ser considerado crime.

Dólar futuro

Nesta forma de negociação, o titular não compra a moeda em si, mas o direito de resgatá-la lá na frente. 

Os contratos são baseados na data atual e possuem uma data de vencimento definida previamente.

Se no dia do vencimento o dólar estiver a um preço superior ao estabelecido previamente, o comprador sai ganhando. Caso contrário, quem vendeu é que tem lucro.

O chamado contrato futuro mini de dólar comercial permite a negociação sobre as expectativas futuras da moeda, com um custo menor que aquele que consta no contrato padrão.

Dólar à vista

Essa negociação leva em conta o valor imediato da moeda norte-americana – é negociado por empresas e instituições bancárias ao fechar um negócio. Essas operações são registradas em bolsa.

Você já deve ter ouvido que “fulano” enriqueceu investindo, vendendo ou comprando dólares. 

Isso pode acontecer, mas é preciso ficar atento à legislação e às obrigações fiscais e tributárias atinentes aos negócios fechados em moeda estrangeira. O recebimento em dólares, por exemplo, precisa constar na declaração do Imposto de Renda.

De fato, investimentos em moeda estrangeira levam em conta a estabilidade do dólar no contexto internacional, normalmente amparada na depreciação das moedas locais.

Trata-se de um investimento que inclui algum risco mas possui vantagens, como nos fundos cambiais, em que 80% dos recursos são aplicados com base na variação do câmbio: os resultados dependem do desempenho do dólar.

Conteúdos extras:

Para entender ainda mais como o dólar afeta o bolso nosso de cada dia, gravamos um podcast especialmente sobre esse assunto. Ouça abaixo:

Lembre-se:

A equipe da Monte Bravo está pronta para auxiliar investidores iniciantes ou com experiência nos investimentos vinculados ao dólar, amparando o cliente com cotações diárias e projeções baseadas no comportamento histórico da moeda. Desta forma, uma opção que parece ser envolta por incertezas ganha mais solidez, segurança e ganhos – e, o melhor… Em dólar!

Artigos Relacionados

  • 17

    Sexta

    Jun

    17/06/2022 às 15:00

    Economia

    Fed e Copom: como os aumentos dos juros impactam os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilheO Federal Reserve, dos Estados Unidos, e o Comitê de Política Monetária brasileiro, o Copom, anunciaram as decisões de elevar juros na última Super Quarta, dia 15. O Fed realizou aumento de 0,75 ponto percentual, para uma faixa de 1,5% a 1,75%. Este foi o primeiro e o maior aumento dessa magnitude desde 1994. Já […]

    Continue lendo
  • 30

    Segunda

    Mai

    30/05/2022 às 11:39

    Economia

    Come-Cotas: O que é e como funciona?

    Compartilhe

    CompartilhePouco apreciado por investidores e gestores, o come-cotas é um assunto bastante discutido no mercado nesta época do ano. Ele nada mais é do que uma antecipação do Imposto de Renda de quem investe em alguns fundos de investimentos específicos – especialmente os abertos. Sua incidência ocorre no último dia útil de maio e novembro, […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1