Open banking abre caminho para concorrência no mercado financeiro

Open banking abre caminho para concorrência no mercado financeiro

29/04/2021 às 13:58

29

Quinta

Abr

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Iniciado em fevereiro no Brasil, o open banking promete revolucionar o mercado financeiro e a forma como as pessoas físicas e jurídicas se relacionam com seus bancos. 

A esta altura, a maioria das pessoas que se envolve com finanças e investimentos já sabe o que o open banking representa, mas não custa lembrar suas principais características:

Na prática, embora seja correntista do banco X, o cidadão poderá requerer empréstimo no banco Y ou autorizar investimentos na corretora Z, sem necessidade de iniciar um novo relacionamento com essas instituições e muito menos se desvincular daquela com a qual já está relacionado.

Hoje, como todos sabem, os bancos são muito impermeáveis nesse tráfego de informações. Embora os dados pertençam ao correntista, as instituições a mantêm sitiadas em seu sistema, impedindo que o consumidor busque alternativas mais rentáveis de aplicação, juros, créditos e cartões – para ficar apenas nesses exemplos.

O open banking, que já é realidade em outros países, busca reduzir esse dilema com base no conceito de que o cidadão é que deve decidir o que fazer com seu patrimônio e com seu score: histórico de adimplência, perfil de renda, padrões de consumo…

É algo que já acontece com a telefonia e até mesmo com a portabilidade salarial nos bancos – e que agora avança sobre o mercado financeiro como um todo.

Pelo cronograma do Banco Central, o open banking será efetivado em etapas:

Fase 1 (Fev/2021) – Instituições financeiras compartilham dados entre si, sem a participação do consumidor

Fase 2 (Jul/2021) – Instituições financeiras começam a compartilhar dados dos clientes, tais como CPF, CNPJ, informações de contas correntes, tarifas, tudo com o consentimento dos cidadãos

Fase 3 (Ago/2021) – Transação de pagamentos liberada para dispositivos móveis (via WhatsApp ou SMS, por exemplo) e compartilhamento de histórico de informações financeiras dos clientes

Fase 4 (Dez/2021) – Compartilhamento de dados referentes a operações de câmbio, previdência privada, planos de investimento, seguros e outros serviços contratados.

Como se depreende, para as empresas, a fase 4 é a mais aguardada, porque é neste estágio em que os passos de maior musculatura das organizações poderão ser compartilhados entre as instituições.

Um ponto de destaque é o acesso ao crédito.

Hoje, a concessão de empréstimos é um processo moroso e blindado pelas instituições financeiras com as quais a PJ mantém relacionamento.

A expectativa é que isso mude com o open banking. A empresa poderá solicitar uma proposta de um banco com o qual nunca tratou, e esse banco vai pedir os dados para a instituição nativa. Essa instituição, por sua vez, vai conferir essa solicitação e, caso a empresa a conceda, os dados serão compartilhados.

Naturalmente, esse processo criará dois grandes ganhos: a personalização e a ampla concorrência.

As instituições vão conhecer melhor o prospecto, o histórico e o plano de trabalho de cada corporação, podendo com isso oferecer linhas de crédito, planos de investimento, ofertas de conta salário e outros serviços de acordo com a especificidade de cada correntista.

Tudo isso é possível graças às chamadas API – tecnologia que permite a comunicação aberta entre agentes diferentes.

No dia a dia, já compartilhamos informações via API ao fazer login a partir do email para entrar nas redes sociais, nos serviços de streaming ou em outras plataformas, por exemplo. Eventualmente, até recebemos um email perguntando se a operação procede ou não.

Agora, o API estará a serviço do open banking também: uma camada de dados, sempre com o consentimento do usuário, será compartilhada para ampliar a oferta de produtos e garantir a livre concorrência entre os agentes financeiros.

Isso também poderá dar maior autonomia para os investimentos corporativos, que não ficarão mais reféns de uma ou outra corretora: bastará a migração consentida das informações para obter as melhores propostas para cada tipo de plano.

A Monte Bravo está atenta a todas as transformações pelas quais passa o setor financeiro no país e tem a melhor equipe para assessorar pessoas físicas e jurídicas neste novo cenário. As contas Corporate recebem consultorias diárias e personalizadas de acordo com as necessidades de cada corporação, com repertório econômico, discrição e visão de mercado. Conheça nossa equipe aqui.

Artigos Relacionados

  • 02

    Quinta

    Mai

    02/05/2024 às 10:57

    Economia

    Monte Bravo Analisa | Federal Open Market Committee (FOMC) 01.05.2024

    Compartilhe

    CompartilheFed mantém Fed Funds em 5,50%, mas reduz ritmo de venda de treasuries de US$ 60 bilhões para US$ 25 bilhões por mês O FOMC manteve a taxa de Fed Funds (juros base dos EUA) em 5,50% a.a. e avalia que os riscos para o duplo mandato de pleno emprego e inflação evoluíram para um …

    Continue lendo
  • 06

    Quarta

    Mar

    06/03/2024 às 17:34

    Economia

    MONTE BRAVO ANALISA – Por Luciano Costa, economista-chefe da Monte Bravo

    Compartilhe

    Compartilhe🇧🇷 O PIB do 4° trimestre de 2023 teve desempenho em linha com nossa expectativa, mas abaixo do consenso do mercado: – PIB ficou estável na margem no 4° trimestre, ficando em linha com nossa expectativa e abaixo da mediana do mercado (+0,1%). Em termos anuais, o PIB cresceu 2,1%. – A economia encerrou com …

    Continue lendo
  • 31

    Quarta

    Jan

    31/01/2024 às 19:46

    Economia

    Copom reduz taxa Selic para 11,25% a.a.

    Compartilhe

    CompartilheConforme sinalizado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa Selic em 50 p.b. trazendo a taxa Selic para 11,25% ao ano. No Comunicado, o COPOM justificou a decisão, da seguinte forma:  Ambiente externo segue volátil, e marcado pelo debate sobre o início do corte de juros nas principais economias –  em …

    Continue lendo

Fechar

Loading...