29/10/2020 às 14:00

29

Quinta

Out

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Os Estados Unidos são a principal economia do mundo e o que acontece por lá tem o poder de interferir nas demais nações.

Neste contexto, as eleições marcadas para o início de novembro são um dos eventos mais importantes na cena econômica, com forte impacto no mercado financeiro.

Mas por que isso acontece?

Antes de adentrar na questão norte-americana em específico, cabe lembrar que o mercado financeiro acompanha com agitação eleições de uma maneira geral.

Isso porque o resultado quase sempre é incerto, e as bolsas mundiais não são muito chegadas a incertezas. Qualquer planejamento que tenha sido feito até o dia do pleito pode ruir do dia para a noite, dependendo de quem vence a disputa.

Em linhas gerais, o mercado muda de humor quando o período pré-eleitoral é marcado pelos seguintes eventos:

  • Candidatos extremistas: Concorrentes com pautas muito disruptivas tendem a assustar o mercado financeiro, sobretudo quando estão bem nas pesquisas;
  • Ameaças à democracia e às instituições: Investidores prezam pelo mínimo de estabilidade para conduzir seus negócios, e a falta de confiança nas instituições pesa contra.
  • Agendas estatizantes: O mercado avalia que um Estado eficiente é enxuto, resolutivo e defensor da livre iniciativa. Candidatos que estimulam o inchaço na máquina pública são vistos com ressalvas.
  • Pautas específicas: Determinadas agendas podem animar ou desanimar segmentos específicos, com impacto direto nas ações de empresas desse segmento econômico. Indústria bélica e farmacêutica, energia renovável e transportes são apenas alguns exemplos de áreas pontuais beneficiadas ou prejudicadas.
  • Pesos e contrapesos: Detentores de papéis na bolsa reagem com estranheza a governos muito autoritários ou que possuem hegemonia nos parlamentos, sem abertura para contestações e fiscalização.

Já deu para perceber por que o mercado financeiro fica atento ao processo eleitoral, e não poderia ser diferente nos Estados Unidos.

Com PIB equivalente a 20% da economia global e com a sexta maior renda per capita, os EUA são um importante parceiro econômico dos países desenvolvidos e um fundamental importador de produtos agrícolas das nações em desenvolvimento.

Por si só, uma eleição por lá faz muita gente perder o sono.

Mas o pleito de 2020 é ainda mais delicado

A disputa entre Donald Trump e Joe Biden tem fatores inéditos, que dão ingredientes adicionais para a dor de cabeça do mercado financeiro.

Investidores de diferentes perfis têm razões de sobra para se preocupar com a vitória de um ou de outro – dependendo não apenas do diapasão político-ideológico pessoal, mas principalmente dos rumos que cada um pretende dar ao país.

Outsider, Trump surpreendeu no início do mandato ao apresentar bons indicadores econômicos, com redução do desemprego e aumento da renda média. 

Entretanto, sua personalidade imprevisível e a condução considerada desastrosa da pandemia de coronavírus – os EUA lideram o número de mortes no mundo – podem ter colocado tudo a perder.

Uma eventual reeleição pode animar os segmentos beneficiados por sua política austera e pela agenda de costumes, como a indústria bélica e as áreas afetadas por gestões protecionistas, mas tende a afastar ainda mais investidores que esperam uma relação mais parcimoniosa com os parceiros globais.

Já Joe Biden chegou ao pleito como um candidato apático, um contraponto impossível à personalidade arredia do adversário. Aos poucos, deu a moderação que se espera de uma eleição deste porte, o que agrada o mercado financeiro.

Biden não deve ter comportamento dúbio com declarações infelizes no Twitter e nem desmerecer aliados internacionais em potencial. Entretanto, ainda o assombra a defesa de aumento de impostos, sempre mal vista entre os investidores.

A possível blue wave

O resultado das eleições parlamentares também interessa. Eventual hegemonia nas duas casas pesa contra os dois partidos, porque uma oposição engajada em apontar falhas é sempre melhor do que a unanimidade.

Há ainda fatores conjunturais importantes. A vitória de uma agenda conservadora dá musculatura a empresas que estimulam este debate, por conseguinte a seus papéis.

Já a vitória do campo progressista alimenta a pauta da diversidade nas organizações e da preservação ambiental. 

Tudo isso muda a vida do investidor, porque determinados papéis deixam de ser relevantes ou se tornam mais fortes, ao sabor dos ventos democráticos.

Aliás, o grande vitorioso de um processo eleitoral sempre deve ser a democracia. Rupturas na ordem democrática – aí sim – fazem o país perder índices de confiança e notas nas agências de classificação de risco, o que seria um tanto incomum em uma nação como os Estados Unidos.

Artigos Relacionados

  • 17

    Sexta

    Jun

    17/06/2022 às 15:00

    Economia

    Fed e Copom: como os aumentos dos juros impactam os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilheO Federal Reserve, dos Estados Unidos, e o Comitê de Política Monetária brasileiro, o Copom, anunciaram as decisões de elevar juros na última Super Quarta, dia 15. O Fed realizou aumento de 0,75 ponto percentual, para uma faixa de 1,5% a 1,75%. Este foi o primeiro e o maior aumento dessa magnitude desde 1994. Já […]

    Continue lendo
  • 30

    Segunda

    Mai

    30/05/2022 às 11:39

    Economia

    Come-Cotas: O que é e como funciona?

    Compartilhe

    CompartilhePouco apreciado por investidores e gestores, o come-cotas é um assunto bastante discutido no mercado nesta época do ano. Ele nada mais é do que uma antecipação do Imposto de Renda de quem investe em alguns fundos de investimentos específicos – especialmente os abertos. Sua incidência ocorre no último dia útil de maio e novembro, […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1