Como as eleições americanas afetam o mercado financeiro global

Como as eleições americanas afetam o mercado financeiro global

29/10/2020 às 14:00

29

Quinta

Out

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Os Estados Unidos são a principal economia do mundo e o que acontece por lá tem o poder de interferir nas demais nações.

Neste contexto, as eleições marcadas para o início de novembro são um dos eventos mais importantes na cena econômica, com forte impacto no mercado financeiro.

Mas por que isso acontece?

Antes de adentrar na questão norte-americana em específico, cabe lembrar que o mercado financeiro acompanha com agitação eleições de uma maneira geral.

Isso porque o resultado quase sempre é incerto, e as bolsas mundiais não são muito chegadas a incertezas. Qualquer planejamento que tenha sido feito até o dia do pleito pode ruir do dia para a noite, dependendo de quem vence a disputa.

Em linhas gerais, o mercado muda de humor quando o período pré-eleitoral é marcado pelos seguintes eventos:

  • Candidatos extremistas: Concorrentes com pautas muito disruptivas tendem a assustar o mercado financeiro, sobretudo quando estão bem nas pesquisas;
  • Ameaças à democracia e às instituições: Investidores prezam pelo mínimo de estabilidade para conduzir seus negócios, e a falta de confiança nas instituições pesa contra.
  • Agendas estatizantes: O mercado avalia que um Estado eficiente é enxuto, resolutivo e defensor da livre iniciativa. Candidatos que estimulam o inchaço na máquina pública são vistos com ressalvas.
  • Pautas específicas: Determinadas agendas podem animar ou desanimar segmentos específicos, com impacto direto nas ações de empresas desse segmento econômico. Indústria bélica e farmacêutica, energia renovável e transportes são apenas alguns exemplos de áreas pontuais beneficiadas ou prejudicadas.
  • Pesos e contrapesos: Detentores de papéis na bolsa reagem com estranheza a governos muito autoritários ou que possuem hegemonia nos parlamentos, sem abertura para contestações e fiscalização.

Já deu para perceber por que o mercado financeiro fica atento ao processo eleitoral, e não poderia ser diferente nos Estados Unidos.

Com PIB equivalente a 20% da economia global e com a sexta maior renda per capita, os EUA são um importante parceiro econômico dos países desenvolvidos e um fundamental importador de produtos agrícolas das nações em desenvolvimento.

Por si só, uma eleição por lá faz muita gente perder o sono.

Mas o pleito de 2020 é ainda mais delicado

A disputa entre Donald Trump e Joe Biden tem fatores inéditos, que dão ingredientes adicionais para a dor de cabeça do mercado financeiro.

Investidores de diferentes perfis têm razões de sobra para se preocupar com a vitória de um ou de outro – dependendo não apenas do diapasão político-ideológico pessoal, mas principalmente dos rumos que cada um pretende dar ao país.

Outsider, Trump surpreendeu no início do mandato ao apresentar bons indicadores econômicos, com redução do desemprego e aumento da renda média. 

Entretanto, sua personalidade imprevisível e a condução considerada desastrosa da pandemia de coronavírus – os EUA lideram o número de mortes no mundo – podem ter colocado tudo a perder.

Uma eventual reeleição pode animar os segmentos beneficiados por sua política austera e pela agenda de costumes, como a indústria bélica e as áreas afetadas por gestões protecionistas, mas tende a afastar ainda mais investidores que esperam uma relação mais parcimoniosa com os parceiros globais.

Já Joe Biden chegou ao pleito como um candidato apático, um contraponto impossível à personalidade arredia do adversário. Aos poucos, deu a moderação que se espera de uma eleição deste porte, o que agrada o mercado financeiro.

Biden não deve ter comportamento dúbio com declarações infelizes no Twitter e nem desmerecer aliados internacionais em potencial. Entretanto, ainda o assombra a defesa de aumento de impostos, sempre mal vista entre os investidores.

A possível blue wave

O resultado das eleições parlamentares também interessa. Eventual hegemonia nas duas casas pesa contra os dois partidos, porque uma oposição engajada em apontar falhas é sempre melhor do que a unanimidade.

Há ainda fatores conjunturais importantes. A vitória de uma agenda conservadora dá musculatura a empresas que estimulam este debate, por conseguinte a seus papéis.

Já a vitória do campo progressista alimenta a pauta da diversidade nas organizações e da preservação ambiental. 

Tudo isso muda a vida do investidor, porque determinados papéis deixam de ser relevantes ou se tornam mais fortes, ao sabor dos ventos democráticos.

Aliás, o grande vitorioso de um processo eleitoral sempre deve ser a democracia. Rupturas na ordem democrática – aí sim – fazem o país perder índices de confiança e notas nas agências de classificação de risco, o que seria um tanto incomum em uma nação como os Estados Unidos.

Artigos Relacionados

  • 02

    Quinta

    Mai

    02/05/2024 às 10:57

    Economia

    Monte Bravo Analisa | Federal Open Market Committee (FOMC) 01.05.2024

    Compartilhe

    CompartilheFed mantém Fed Funds em 5,50%, mas reduz ritmo de venda de treasuries de US$ 60 bilhões para US$ 25 bilhões por mês O FOMC manteve a taxa de Fed Funds (juros base dos EUA) em 5,50% a.a. e avalia que os riscos para o duplo mandato de pleno emprego e inflação evoluíram para um …

    Continue lendo
  • 06

    Quarta

    Mar

    06/03/2024 às 17:34

    Economia

    MONTE BRAVO ANALISA – Por Luciano Costa, economista-chefe da Monte Bravo

    Compartilhe

    Compartilhe🇧🇷 O PIB do 4° trimestre de 2023 teve desempenho em linha com nossa expectativa, mas abaixo do consenso do mercado: – PIB ficou estável na margem no 4° trimestre, ficando em linha com nossa expectativa e abaixo da mediana do mercado (+0,1%). Em termos anuais, o PIB cresceu 2,1%. – A economia encerrou com …

    Continue lendo
  • 31

    Quarta

    Jan

    31/01/2024 às 19:46

    Economia

    Copom reduz taxa Selic para 11,25% a.a.

    Compartilhe

    CompartilheConforme sinalizado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa Selic em 50 p.b. trazendo a taxa Selic para 11,25% ao ano. No Comunicado, o COPOM justificou a decisão, da seguinte forma:  Ambiente externo segue volátil, e marcado pelo debate sobre o início do corte de juros nas principais economias –  em …

    Continue lendo

Fechar

Loading...