05/08/2021 às 10:00

05

Quinta

Ago

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Entre os ativos de renda variável, os fundos imobiliários (FII) têm chamado bastante atenção devido à possibilidade de investimento em um ramo em franca rentabilidade, mesmo em período de insegurança econômica.

Quem está minimamente atento aos mercados de compra e venda de imóveis e de construção civil sabe que esses segmentos estão na contramão dos demais, justamente por se encontrarem muito aquecidos.

Impulsionada pelos financiamentos, a construção foi a maior geradora de vagas de trabalho em 2020, com possibilidade de crescimento de 30% em 2021.

As negociações de imóveis também cresceram – basta ver que o ITBI, imposto gerado sobre a compra e venda de bens imóveis, deu um salto nas cidades de médio e grande portes no fim do ano passado.

Várias são as razões conjunturais para esse fenômeno. A construção civil não parou em nenhum momento, por ser considerado serviço essencial. Mais pessoas dentro de casa também resultaram no aumento de pequenas e grandes reformas. A migração do pessoal das metrópoles para o interior, por sua vez, fez disparar a venda de terrenos e imóveis prontos nessas cidades.

Quem estava com recursos represados também resolveu aportá-los nesta época em edifícios coorporativos, centros de compras e prédios residenciais.

E o que isso tudo tem a ver com fundos imobiliários?

Como se sabe, os FIIs são uma possibilidade de investir em imóveis sem necessariamente comprá-los. É um caminho possível, por exemplo, para quem pretende aplicar seu patrimônio neste ramo de uma maneira mais contida, sem precisar comprar uma propriedade. 

Se em 2020 esses papéis sofreram um abalo diante das incertezas da pandemia (o iFix acumulou perdas de 10%), em 2021 começam a colher os frutos da aceleração do mercado imobiliário em plena emergência sanitária. O acumulado segue em baixa (-1,8%), porém em desaceleração menos exponencial do que no exercício passado.

Os FIIs são fundamentalmente um investimento coletivo de renda variável.

O investidor compra cotas de projetos físicos (fundo tijolo), projetos para aluguel (fundo de renda), para negociação (fundo de compra e venda), para negociação de empreendimento (fundos de desenvolvimento), para securitização (fundo de recebíveis) ou para investimento em outros fundos (fundos de fundos).

Sobre os dividendos ou no ato da venda do fundo, os cotistas recebem sobre a valorização de maneira proporcional.

Como o mercado imobiliário está aquecido, muitos fundos imobiliários aparecem como opção atraente.

A retomada gradual das atividades presenciais promete energizar novamente os setores de shoppings centers e lajes corporativas, reanimando os fundos aplicados com estes objetivos.

De quebra, com as taxas de juros ainda em baixa, os financiamentos habitacionais seguem convidativos – o que não dá pistas de que o mercado de construção e de compra e venda vá arrefecer.

Mas é preciso ficar atento a algumas questões.

Como vimos, trata-se de um investimento em renda variável. Isso significa que é preciso considerar certa volatilidade. Se o mercado imobiliário perder força ou experimentar uma crise de inadimplência, por exemplo, é possível que os FIIs se depreciem no curto ou no médio prazos.

Também é preciso observar os impostos e taxas. O investidor pessoa física não recolhe imposto de renda sobre os rendimentos do fundo. No entanto, caso haja ganho de capital sobre as vendas das cotas, o imposto de renda não é isento e incide com alíquota de 20% sobre essa valorização. O imposto é apurado todos os meses e precisa ser pago até o último dia útil do mês seguinte.

Detalhes como esses, além da orientação precisa ao investidor, só são adquiridos com uma inteligente equipe de assessoria de investimentos.

A Monte Bravo conta com um time de assessoria especializada que indicará as melhores estratégias para o seu portfólio, de acordo com o seu perfil. Converse com nossos especialistas e invista com quem vai além por você, sempre.

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1