Raio-XP da Bolsa: Juros em alta, inflação em alta – como esse “velho normal” irá impactar a nossa Bolsa?

05/04/2021 às 12:21

05

Segunda

Abr

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Desde o início de 2021, uma mudança têm ocorrido nos mercados globais. O reflation trade (expectativa de aceleração de inflação) iniciado no começo de novembro que, combinado com estímulos fiscais adicionais, levaram à abertura da curva de juros de longo prazo. Consequentemente, as expectativas de inflação futura também subiram.

A julgar pelo aumento da volatilidade em muitas classes de ativos importantes nos últimos meses, parece que os mercados ainda não estão preparados para uma discussão sobre taxas de juros de curto prazo mais altas, inflação mais elevada e estímulos em dólares que serão retirados em breve.

Os altos valuations para os mercados de ações globais parecem vulneráveis neste novo ambiente com taxas de juros de longo prazo mais altas. Em particular, é o caso de um subsetor do mercado, as ações de crescimento (growth, em inglês), precificadas em um cenário de forte crescimento contínuo e taxas de juros próximas de zero.

Se os rendimentos dos títulos de longo prazo permanecerão altos, ou se podem subir ainda mais, não é o foco desse relatório. Nosso foco é: como as ações brasileiras são impactadas por isso?

  1. O dólar recuperou um pouco de seu brilho – o índice do dólar (DXY Currency) valorizou +4,2% em relação às mínimas recentes, ao passo que o diferencial de taxas de juros perante outras economias desenvolvidas aumenta. Por exemplo, o título alemão de 10 anos está em uma taxa de -0,4% atualmente e, com a taxa de juros do Tesouro americano de 10 anos em 1,6%, há uma diferencial de juros de 2p.p. Se a narrativa do “dólar fraco” mudar daqui para frente, os fluxos para os Mercados Emergentes podem começar a ser impactados.
  2. Cuidado com os preços das commodities – o índice CRB (índice de commodities) subiu +40% nos últimos 9 meses, e há um grande consenso em manter posições compradas em commodities. Embora concordemos com essa visão, estamos cientes do fato de que títulos com juros mais altos e um dólar forte podem começar a pesar sobre os preços desses ativos, pois eles tendem a se beneficiar do cenário oposto – com o dólar fraco e juros próximos a zero. Os metais preciosos já começaram a sentir os efeitos, com o preço do ouro caindo -10,0% no acumulado do ano e a prata -7,5%. Enquanto isso, os preços de matérias-primas e metais pesados (como níquel e cobre) ainda estão em alta como resultado de uma forte economia global.
  3. As ações de crescimento brasileiras parecem mais vulneráveis ​​- assim como nos EUA, as ações de crescimento brasileiras sofreram com essa rotação de Growth para Value (ou empresas de valor). Nomes como Magazine Luiza, Mercado Livre (que não é brasileiro, mas tem bastante exposição ao país) e alguns IPOs recentes relacionados à tecnologia viram os preços de suas ações corrigirem -7% a -30% no último mês. Se as taxas globais continuarem a subir, esses nomes podem continuar a ter dificuldades no curto prazo.
  4. Nomes sensíveis às taxas de juros também – setores que são mais sensíveis à alta nas taxas de juros, como Setor Elétrico e Imobiliário, também têm enfrentado dificuldades ultimamente no Brasil. No entanto, acreditamos que isso seja impulsionado principalmente pelas taxas de juros domésticas mais altas do que pelas taxas globais, como discutiremos a seguir.

Dito isto, o índice Ibovespa subiu +6,0% em reais no mês de março e, com a moeda local mais fraca, +4,1% em dólares. Porém, no ano, a Bolsa brasileira continuou a se descolar dos mercados globais, e acumula queda de -2,0% em reais e -10,8% em dólares.

Confira o relatório completo da XP Research clicando no botão abaixo:

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1