11/09/2020 às 11:22

11

Sexta

Set

6 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

No dia a dia é natural que consumidores busquem a melhor relação de custo-benefício em suas compras. Na hora de investir, a lógica é a mesma. Muitos investidores e investidoras se perguntam quais são os custos envolvidos em cada tipo de aplicação e, algumas vezes, ficam em dúvidas em relação aos nomes, valores e porque estão pagando por aquilo. 

Nos últimos anos foi observado um movimento de ‘zerar taxas’ e as Corretoras de Valores estiveram à frente disso. É o caso da XP Investimentos, que foi pioneira ao isentar os clientes muito antes dos bancos adotarem a medida. Essa movimentação está associada ao amadurecimento do mercado financeiro no país e à expansão conhecimento dos brasileiros sobre educação financeira. 

Cada tipo de investimento pode envolver custos distintos, isso acontece porque cada aplicação tem um processo de funcionamento diferente. Por exemplo, quando se fala em Fundos de Investimentos, é mais comum lembrar da Taxa de Administração. Mas, se o assunto é Bolsa de Valores, fala-se sobre a Taxa de Corretagem.

Vale lembrar que ter um Assessor de Investimentos não gera nenhum tipo de custo diferente do de investir por conta própria pela corretora. O cliente tem acesso aos mesmos produtos e oportunidades de investimentos e ainda conta com uma orientação personalizada de acordo com seus objetivos e perfil. 

Na Monte Bravo, nós tratamos os custos de cada tipo de aplicação com total transparência. Acreditamos que esse é o caminho para criar uma relação de confiança com nossos clientes e evitar que ocorram surpresas ao longo da experiência de investimento. Por isso, destacaremos neste artigo alguns conceitos e detalhes para quem investe através da XP Investimentos, resumidos em 10 tópicos importantes:

Assuntos presentes neste texto

  • Taxa Zero
  • Renda Fixa
  • COE
  • Tesouro Nacional
  • Fundos de Investimentos
  • Ações
  • Fundos Imobiliários
  • Emolumentos
  • Impostos
  • Mercados mais avançados e para investidores experientes

1- Taxa zero (não há custos)

É imprescindível aproveitar o movimento de gratuidade de taxas iniciado pela XP Investimentos. Seguem alguns exemplos:

  • Custódia de renda fixa
  • Custódia de bolsa
  • Custódia de COE
  • Taxa da Corretora para Tesouro Direto
  • Tarifas de TED para retiradas
  • Carregamento de entrada e saída em previdência
  • Custódia de Previdência
    Embora a XP não cobre essa taxa, é importante lembrar que os fundos de investimentos de previdência possuem taxas de administração e podem cobrar taxa de performance, como quaisquer fundos disponíveis no mercado.
  • Negociação de Fundos Imobiliários e Futuros em bolsa
    Sob condições específicas, pois no caso dos FIIs não há custo algum para o cliente operar de maneira independente por sua plataforma, e no caso de negociação de mercados futuros, a corretagem também é gratuita sob condições específicas, as quais deixaremos um link no final do texto.

Alguns produtos pelos quais os investidores começam a explorar o mundo de investimentos têm custos que precisamos conhecer bem em nossos primeiros passos.

Nesta seção, destacamos que alguns investimentos não possuem custos atrelados à Corretora, mas sim à B3 (Bolsa de Valores brasileira), ou à cada gestora que cuida da administração de recursos de seus respectivos fundos.

2- Renda Fixa

Produtos como CDB, LCI, LCA, LC, CRI, CRA e debêntures (crédito privado) não possuem custos.

3- COE

Não possui custos.

4- Tesouro Nacional (Títulos do Governo)

  1. Taxa de custódia da Corretora: Zero
  2. Taxa de custódia da B3: 0,25% ao ano.

O cálculo dessa taxa provisiona diariamente o valor a ser pago, sendo então, cobrada proporcionalmente ao período no qual o investidor mantiver o título.

5- Fundos de Investimento

  • Taxa de administração
    É a taxa cobrada para arcar com os custos que existem para se manter um fundo de investimento. Em geral, pode variar desde taxa zero, para produtos mais conservadores que acompanham a variação dos juros (pós-fixados), até 2%, se olharmos os principais fundos do mercado.

As taxas de administração maiores que 2% merecem alguma atenção, pois uma taxa tão alta pode comprometer o retorno de seu investimento.

  • Taxa de Performance:
    É uma taxa cobrada para premiar os gestores de Fundos de Investimentos quando os retornos de um fundo superam um benchmark, isto é, uma referência estabelecida para aquele fundo.

À título de exemplo podemos pensar que um fundo multimercado utilize o CDI (próximo a SELIC) como esse benchmark. Se o retorno daquele investimento no período foi superior ao CDI, ele cobrará uma taxa de performance sobre esse montante que excedeu o retorno do CDI.

Podemos pensar o mesmo para um fundo de ações, que, ao adotar o Ibovespa como referência, caso obtenha performance superior ao índice, poderá cobrar taxa de performance sobre o que excedeu o retorno do Ibovespa.

Renda Variável & Bolsa de Valores


Após realizar as alocações em renda fixa e em fundos, em geral com uma visão de longo prazo, muito investidores começam a investir em renda variável. Nesse momento, inicia-se o contato com um Operador das Mesas de ações. 

O Operador trabalha em conjunto com o Assessor de Investimentos para atender o cliente no mercado de bolsa de valores. Lembrando que, quando falamos de Renda Variável, o cliente pode optar por fundos de investimento com essa estratégia, mas logo abaixo falaremos dos custos quando o cliente investe de maneira mais ativa, tomando decisões de compra e venda de ações e ativos desse segmento.

6- Ações

  • Aluguel de ações:
    Taxa de 0,25% ao ano (sobre o volume do aluguel, proporcional ao tempo em que ficar com o mesmo) ou 10 reais, o que for maior. 

Quando o investidor decide fazer uma aposta na queda de uma ação, ele precisa operar “vendido”, e, para tanto, precisa ter o aluguel das quantidades de ações que deseja vender. Ao solicitar esse aluguel incide o custo de aluguel.

  • Custos de Corretagem Fixa: 

Ao negociar pelas plataformas de trade como Home Broker, Mobile ou plataformas terceirizadas, o custo de corretagem obedece à uma tabela de corretagem fixa por cada ordem executada. Esse valor é cobrado pela corretora para cobrir os custos do sistema. (clique aqui para conferir a tabela da XP)

  • Custos de Corretagem Variável: 

Quando o cliente precisa executar alguma ordem através da Mesa passa a valer a Tabela Bovespa que estabelece uma corretagem variável de acordo com o volume operado. Isso acontece porque ao operar pela Mesa, o cliente conta com outros serviços que envolvem o Operador, por isso as taxas são diferentes. 

Tabela Bovespa:

Clientes que precisam executar ordens como: Carteiras de Ações com acompanhamento mensal, ordens de grandes quantidades em cenários de menor liquidez, ordens de arbitragem que necessitam do uso de sistemas (robôs), ordens envolvendo derivativos e estruturas mais sofisticadas, ou ainda, clientes que carecem de aprofundar análises de empresas em conjunto com o operador para definir suas estratégias de STOP e de objetivos para cada ação, em geral, recorrem à mesa de operações.

7- Fundos Imobiliários

  • Operando pelas Ferramentas: 

Não há custos, conforme citamos no começo do artigo, para operar de maneira independente por sua plataforma como Home Broker, XP Mobile e outras plataformas terceirizadas.

  • Operando pela Mesa de Operações: 

Assim como citado para o mercado de ações, neste caso há o custo de Corretagem variável, pois o cliente irá se utilizar dos serviços prestados pelos Operadores da Mesa.

Outros Custos que não são relacionados às corretoras são Emolumentos e alguns impostos:

8- Emolumentos

Os emolumentos referem-se aos serviços cobrados pela B3 e podem ser conferidos clicando aqui. Em geral são taxas de registro, liquidação e negociação, calculadas com base em um pequeno percentual sobre o volume total operado.

9- Impostos

  • ISS: O imposto sobre serviços tem alíquota de 9,65% sobre o valor da corretagem.
  • IRRF: Esse valor pode ser observado nas notas de corretagem e é uma parcela do imposto que já fica provisionada, visando identificar que ocorreram operações em bolsa. Nas operações normais fica retido 0,005% e nas operações de day-trade (iniciadas e encerradas no mesmo dia) é de 1%, sobre os volumes financeiros totais das vendas realizadas.

    *Lembrando que aqui estamos falando de impostos que estão visíveis principalmente nas notas de corretagem dos clientes. Existem outros impostos a serem apurados e pagos em cada tipo de investimento.

Por fim, disponibilizamos de maneira resumida alguns custos mais pertinentes para clientes que operam renda variável de maneira mais avançada.

10- Mercados mais avançados e para investidores mais experientes

  • Cobertura de margem; Multas sobre saldo devedor; e Taxa Consolidada (outros custos operacionais):

Esses tipos de custos estão mais ligados ao uso de Alavancagem e outras estratégias comuns para clientes mais experientes em bolsa.

  • Commodities, Futuros, Opções e Ouro:

Assim como destacamos na parte de bolsa e renda variável, existem diferenças nos custos ao executar ordens pela plataforma própria do cliente ou pela Mesa de Operações.

Para ambos os casos citados acima, recomendamos acessar o site oficial da XP Investimentos para mais detalhes. Clique aqui!

Você não precisa fazer isso sozinho.

Conte com uma assessoria de investimentos personalizada e pronta para te ajudar:

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1