18/05/2020 às 12:03

18

Segunda

Mai

4 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

A qualquer momento de nossas vidas, mesmo quando não se está diante de situações extremas vividas pela economia do país, é importante saber investir. A Monte Bravo tem como proposta contribuir para as melhores escolhas dos clientes, trazendo informações de interesse e atualizadas para quem não pode deixar de acompanhar as ofertas de mercado.

Entre as dúvidas recorrentes, uma tem destaque entre aqueles que buscam por algum tipo de investimento: a performance da tradicional poupança. Será que vale a pena investir neste produto? Qual é o rendimento da poupança? Mais: quais são os investimentos disponíveis no mercado que têm rendimento maior do que a poupança? 

Antes de ficar por dentro das opções à disposição – e então avaliar a que pode ser mais atraente – conheça as principais informações sobre a poupança, o investimento que é considerado o preferido dos brasileiros.

A poupança

Quando se fala em poupança, as palavras que imediatamente surgem vinculadas a esse investimento são: simples, segura e prática.

Tais características podem até definir esse produto que permite resgate a qualquer momento, assim como aportes a qualquer hora. 

Mas para ajudar na avaliação do que pode ser melhor para o bolso de cada um, vamos começar conhecendo todo o contexto que cerca a dinâmica do rendimento da poupança, além de suas principais características. 

Inflação

O processo de aumento contínuo e generalizado dos preços no mercado, conhecido como inflação, tem relação direta com a poupança.

Isso ocorre pois o rendimento da poupança varia de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado o índice oficial que mede a inflação no país. 

Por isso, dependendo de como está o IPCA do país, o rendimento da poupança pode ser muito baixo, fazendo com que o consumidor perca o poder de compra. Ou seja, o dinheiro desse consumidor perde valor diante das situações apresentadas pelo mercado.

Liquidez

A poupança apresenta liquidez imediata, ou seja, é possível fazer resgates a qualquer momento, de jeito simples. Basta transferir o dinheiro para a conta corrente e em minutos estará disponível para ser usado. 

Rendimento

A regra prevê que a correção da poupança seja de 70% da taxa Selic (taxa básica de juros da economia, que serve como referência para outras taxas de juros e para remunerar investimentos corrigidos por ela) mais a Taxa Referencial.

Quem tem – ou já teve uma poupança – sabe que o rendimento só chega uma vez ao mês, na data de aniversário da poupança.

Segurança

A poupança é considerado um investimento seguro pois conta com a garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

O que isso significa? Caso a instituição financeira quebre e o cliente perca o dinheiro aplicado na poupança, o FGC devolve a quantia mediante as regras de utilização: R$ 250 mil por CPF/grupo financeiro e sob um teto de R$ 1 milhão. 

Investimentos que rendem mais do que a poupança

Agora que o cenário que cerca a poupança já é conhecido, dá para entender a razão do rendimento baixo do investimento em muitos momentos como, inclusive, o que estamos vivendo atualmente. Assim, fica mais fácil conhecer outras opções tão seguras quanto, porém mais rentáveis.

Mais uma questão importante: é sempre essencial considerar alguns fatores no momento de escolher um investimento. Isso porque existe um determinado tipo de aplicação que se adapta melhor para cada necessidade financeira da pessoa. 

O que é vital considerar:

  • Data de resgate do dinheiro (curto, médio ou longo prazo)
  • Quantia que deseja aplicar
  • Qual o nível de risco que consegue suportar?

Pois é, o risco deve ser pesado na balança. Há investimentos que podem não render dentro de determinado prazo, apresentando até mesmo taxa negativa. Mas depois, em meses, podem apresentar retorno ainda maior do que investimentos que têm a tendência de serem sempre positivos.

CDB

O rendimento do CDB – Certificado de Depósito Bancário – apresenta vários tipos e é recomendado para iniciantes, em virtude da sua simplicidade, sem descartar investidores experientes.

Há opções de CDBs de curto, médio ou longo prazo. Todos são garantidos pelo mesmo fundo que leva segurança à poupança: o Fundo Garantidor de Crédito.

Tesouro Direto

Semelhante ao CDB, a diferença se dá quanto ao emissor, que não é um banco mas, sim, o Governo Federal.

Só por essa informação já fica evidente a segurança oferecida por esse investimento de renda fixa que abre espaço para muitos investidores. Isso porque o valor mínimo para investir é acessível (mais baixo do que outros ativos de renda fixa).

O Tesouro Direto apresenta três tipos:

  • O Tesouro Selic (curto prazo, rende a taxa Selic)
  • Tesouro IPCA (médio e longo prazo, rende de acordo com a inflação mais uma taxa)
  • Tesouro Prefixado (tem apenas uma taxa prefixada que não muda)

LCI e LCA

As Letras de Crédito do Agronegócio e Imobiliária, isentas da cobrança de Imposto de Renda, são formas de capitalizar segmentos do mercado com dinheiro dos investidores. 

Letra de Câmbio

Embora não seja isenta do Imposto de Renda, é melhor do que a poupança a médio prazo. Isso porque tem taxa de rendimento muito competitiva.

Fundo de Renda Fixa

Estamos falando aqui de opções um pouco mais completas. Ao fazer um aporte e se tornar cotista, o cliente compra ativos e ainda contrata a gestão da instituição que administra o fundo de investimento.

Essa é uma característica importante. O que torna um fundo melhor do que outro, além das características básicas de cada um, é a gestão realizada. É essa administração especializada que pode fazer o dinheiro render cada vez mais.

Fundo Multimercado

O Fundo Multimercado é mais agressivo. Ele mistura ativos de renda fixa com investimentos em renda variável na Bolsa de Valores nacional ou internacional. Ele apresenta a melhor rentabilidade possível a médio prazo.

Não é indicado aplicar todo o dinheiro em um fundo como esse. Isso pois pode apresentar resultados negativos em alguns meses – é na soma dos meses que o investimento apresentará resultado superior à renda fixa.

Debêntures

Debêntures são também títulos de dívida, assim como o Tesouro Direto. Mas os emissores são empresas de capital aberto ou fechado que precisam captar recursos para os seus projetos.

Há dois tipos de debêntures: simples (ou não-conversível em ações) e conversível em ações.

Rendimento da Poupança vale a pena?

Poupança, CDB ou outro tipo de investimento?

Há sempre uma opção mais adequada para cada tipo de perfil e expectativas.

Nós, da Monte Bravo, colocamos à sua disposição a nossa expertise e oferecemos uma assessoria 360º do patrimônio e perfil do cliente.

Já está pronto para escolher um investimento com rendimento melhor do que a poupança? Conte com a gente!

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1