07/01/2021 às 08:30

07

Quinta

Jan

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

A sigla AAI, que designa Agente Autônomo de Investimento, está em alta. De acordo com o Google Trends, que mapeia o perfil das buscas dos usuários, a procura por AAI ou o que é AAI cresceu mais de 400% nos últimos cinco anos.

Não é para menos. O impulsionamento do mercado financeiro não representa apenas uma procura de pessoas físicas e jurídicas pela diversificação nas carteiras, mas também uma oportunidade de emprego para muita gente que sempre se interessou pelo mundo dos investimentos.

E afinal de contas, o que faz o AAI?

O agente autônomo de investimentos é o profissional responsável pela ponte entre o investidor e a corretora que faz a gestão dos investimentos. 

A título de comparação, é uma espécie de vendedor qualificado, que além de apresentar as opções para cada perfil de cliente, também ampara e direciona o interessado em questões de curto, médio e longo prazos, transmitindo conhecimento e segurança.

Se você se interessou pelo assunto, saiba que o AAI precisa reunir os seguintes requisitos:

  1. Comunicação – Um bom agente sabe falar e escrever corretamente e ter uma boa articulação com as palavras para fazer-se entender com respeito, conveniência e segurança. Ou seja, o AAI fala a coisa certa, na hora certa, do jeito certo.
  2. Informação – Siga tantos podcasts quanto possível e acompanhe com frequência as notícias da imprensa especializada. É preciso estar sintonizado com o que acontece no Brasil e no mundo, não apenas no aspecto econômico, mas também nos temas políticos e assuntos gerais.
  3. Qualificação – Não adianta achar que entende de mercado de investimentos para se tornar um AAI. É preciso provar que entende: por isso, esse profissional recebe uma autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) antes de sair por aí prestando o agenciamento. E essa chancela só é recebida quando o interessado é aprovado na prova da Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (Ancord). É preciso acertar pelo menos 70% do exame, elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).
  4. Rede de contatos – Um bom networking é um excelente cartão de visitas para o agente de investimentos, que pode inclusive apresentar “cases” de sucesso para seus futuros clientes, mostrando (de maneira ética e anônima, claro), exemplos de agenciamento que renderam bons resultados entre investidores iniciantes e experientes.
  5. Disponibilidade – Muita gente só consegue cuidar dos próprios investimentos à noite ou aos fins de semana. É preciso estar sempre à disposição por telefone, aplicativos de mensagem e até pessoalmente, resguardado o bom senso – evidentemente.
  6. Pessoa jurídica – É preciso constituir um CNPJ e não ter sido condenado por crimes contra o sistema financeiro.
  7. Honestidade – Como o AAI recebe por comissão, muitas vezes pode ficar tentado a dar tiros no escuro que podem apresentar grande rentabilidade se der tudo certo, mas que também podem colocar o cliente em situações muito complicadas. Um bom termômetro deve ser o seguinte: o agente precisa ser mais rigoroso e controlado com os investimentos do cliente do que seria com o próprio dinheiro. Ah, e mais uma coisa: o agente não recebe nada do cliente, que paga diretamente à corretora. É preciso evitar jogos de interesse que comprometem a lisura da operação – e por isso, o AAI precisa estar vinculado a uma corretora de investimentos séria e com representatividade no mercado.

E o que o AAI pode fazer?

Por ser o elo entre a corretora e o interessado, o agente reúne todas as informações do cliente para criar o seu perfil: arrojado, moderado, conservador – e também de duas pretensões: guardar dinheiro, ganhar dinheiro, expectativas de curto prazo, expectativas de longo prazo, etc.

A partir de então, ele precisa apresentar com informações detalhadas as opções de cada tipo de investimento em renda fixa e variável.

A decisão final é sempre do cliente. Este profissional pode dar as orientações necessárias, mas nunca deliberar algo que é de competência exclusiva do dono do dinheiro.

A grande diferença entre este personagem e o gerente do banco é que o segundo tem metas a cumprir e apresenta os produtos da própria instituição, que em geral são despersonalizados, onerosos e pouco rentáveis. Já o AAI tem muito mais produtos a oferecer e está em sintonia com as tendências de mercado.

Lembre-se

A Monte Bravo tem recrutado os melhores AAI do país – pessoal gabaritado para instruir os clientes com todo o tipo de perfil. 

Quem escolhe a Monte Bravo para atuar como agente sabe que terá uma das maiores marcas em assessoria de investimentos para apresentar para seus clientes.

E já quem escolhe a Monte Bravo para investir terá à disposição os melhores assessores e agentes para cuidar do dinheiro com todas essas características elencadas aqui – honestidade, informação e segurança.

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1