Investimentos

BDRs: as vantagens e desvantagens deste investimento

30/10/2020

Compartilhe

Acredito que muitas pessoas acompanharam notícias recentes sobre algumas mudanças ocorridas em relação aos BDRs, a sigla que significa Brazilian Depositary Receipts

Primeiro vamos definir o que são estes investimentos e depois eu conto a novidade.

O que é um BDR?

Os BDRs são certificados que representam ações emitidas por empresas em outros países, mas que são negociados aqui, na bolsa de valores brasileira.

Como funciona isso na prática: uma instituição financeira, chamada de depositária, adquire ações de empresas americanas, como por exemplo, Google, Apple ou Facebook. 

No Brasil, essa mesma instituição oferece aos investidores os BDRs, que são títulos que representam essas ações. Então, o investidor brasileiro não está comprando as ações das empresas diretamente, mas, sim, os títulos que representam esses papéis. 

Existem dois grupos principais de BDRs: os patrocinados e os não patrocinados. 

Existe essa distinção pela maneira de como os certificados são trazidos para a nossa bolsa de valores, como são negociados e segundo o volume de informações oferecidas aos investidores sobre as empresas.

Os BDRs Patrocinados (Níveis I, II e III)

Empresas estrangeiras com interesse de expansão em outros mercados, procuram por conta própria e contratam instituições depositárias para a emissão dos certificados. 

Os BDRs Patrocinados são esses, em que as empresas emissoras (como a Apple, o Google, a Amazon, e etc) participam de todo o processo.

Esse tipo de BDR é subdividido em três níveis: Nível I, II e III.

Nível I

Nesse nível, os BDRs não precisam de registro da companhia na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) para serem negociados. 

Dessa forma, eles só podem ser negociados em mercado de balcão não organizado ou em outros ambientes da bolsa que forem especificamente criados para esse tipo de papel.

Níveis II e III

Os BDRs Patrocinados Nível II e III são muito parecidos. Ao contrário dos de Nível I, nos de nível II e III, a empresa emissora das ações no exterior (lembrando: essas são as empresas que terão suas ações negociadas nos BDRs) precisa obter registro na CVM, ou seja, no Brasil. 

Outra diferença também é que esses não precisam da criação de um ambiente exclusivo, eles podem ser negociados no pregão da bolsa ou em balcão organizado. 

As companhias emissoras precisam seguir as mesmas regras que empresas brasileiras “Categoria A”, como Petrobras e Vale. Essas regras estão relacionadas a transparência e governança.

Principais diferenças entre BDRs Patrocinados de Nível II e III 

  1. Certificados de Nível II – só podem receber ofertas públicas com esforços restritos (ofertas públicas que seguem as normas da instrução CVM 476/2009) que significa uma oferta para um público específico e de até 75 investidores, dos quais até 50 podem investir de fato.
  2.  Certificados de Nível III – as ofertas públicas podem ser amplas, mas precisam ter registro na CVM.

Não Patrocinado

Eles são a grande maioria desse mercado. Nessa caso, a iniciativa de emitir os certificados de ações estrangeiras no Brasil parte da ou das instituições depositárias (como um Banco comercial ou a própria B3) sem a necessidade de um acordo com a empresa emissora das ações. 

Por conta disso, é responsabilidade da mesma a divulgação dos relatórios, balanços e mais informações das empresas. Os BDRs Não Patrocinados são sempre classificados como Nível I.

E qual seria a novidade? 

Antes de uma flexibilização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), apenas investidores qualificados, aqueles que possuem pelo menos 1 milhão de reais em ativos financeiros, podiam investir em BDRs Nível I. 

A CVM autorizou que a partir do dia 22 de outubro de 2020, investidores comuns poderão negociar BDRs Nível I. Então, os BDRs estarão disponíveis para todos os investidores, sem mais a necessidade de ser um investidor qualificado.

Desde o início, os BDRs só abrangiam recibos de ações de empresas estrangeiras.

Agora, a CVM também permitiu o lançamento de BDRs de empresas brasileiras que optaram por abrir o capital fora do Brasil, como a Stone, PagSeguro, XP, entre outras. Isso vai possibilitar a participação de investidores brasileiros via BDRs nos IPOs de companhias brasileiras no exterior.

Além disso, a CVM passou a permitir o lançamento de BDRs com lastro em títulos de dívida, inclusive emitidos por companhias abertas brasileiras. E também, lastreados em cotas de fundos de índices, chamados ETFs, negociados no exterior.

Vantagens 

Facilidade

Em vez de abrirmos conta em uma corretora americana, investir em BDRs é uma das alternativas para o investidor brasileiro adquirir ativos visando investimentos em companhias de fora do circuito nacional com relativa facilidade. 

Sem surpresas de taxas

Não existe a preocupação com transferência de recursos. Todas as operações são realizadas em reais.

Diversificação

Os BDRs podem ser uma maneira de diversificarmos o nosso portfólio estando expostos aos ativos internacionais. Esse ano, diante da crise do coronavírus, percebemos ainda mais o quanto é importante termos essa exposição. 

Podemos investir em empresas globais de uma forma muito simples e muitas vezes, de setores que ainda não tenham grandes representantes no Brasil, como o de tecnologia.  

Riscos e Desvantagens

Volatilidade

Os BDRs apresentam volatilidade, obviamente, já que estão atrelados às ações estrangeiras, pertencentes a classe de ativos de renda variável. E a volatilidade é característica desse mercado, sendo imprevisível seus ganhos ou perdas. 

Impactos do Câmbio

Na prática, os BDRs refletem a variação de preço das ações estrangeiras às quais estão atrelados, só que no Brasil e em reais, então sofrem o efeito do câmbio também. 

Pode acontecer de uma BDR se valorizar muito mais que a ação do exterior, por exemplo. Isso porque, ao comprar BDRs você também está exposto à variação da moeda brasileira contra o dólar. Se o dólar sobe, você ganha valor, se o dólar cai, você perde valor.

Custos e tributação

Semelhantes aos de uma operação com ações brasileiras.

Custos

É cobrado, geralmente, uma taxa de corretagem para a corretora que o investidor utiliza para operar na bolsa de valores brasileira, os emolumentos devidos à ela e, dependendo da corretora, taxa de custódia.

Tributação

A tributação é cobrada na forma do Imposto de Renda que, nesse caso, é de 15% sobre os ganhos obtidos no período. Cabe ao investidor calcular o valor devido com base no lucro das vendas realizadas no mês e paga via DARF até o último dia do mês seguinte. 

É importante saber que não há a isenção de IR até R$ 20 mil, como acontece com as ações, a cobrança se aplica mesmo quando os volume negociados são menores. Sobre os proventos emitidos pela empresa estrangeira, eles são repassados aos investidores brasileiros, conforme as regras de tributação de lucros específica.

Como encontrar os BDRs na nossa Bolsa de valores?

Na bolsa de valores brasileira, a B3, os BDRs são identificados por um código de 4 letras, que identificam a empresa, e 2 números que identificam se ele é patrocinado ou não e de qual nível.

Código de negociação.

  • Código BDRs Patrocinados Nível I – não possuem número fixo no fim 
  • Código BDRs Patrocinados Nível II – Terminam com o número 32
  • Código BDRs Patrocinados Nível III – Terminam com o número 33
  • Código BDRs Não Patrocinados – Podem terminar com 34 ou 35

Os BDRs da Amazon, por exemplo, são do tipo Não Patrocinado. Seu código é AMZO34

Lote mínimo.

O lote mínimo para a negociação de BDRs já foi de 100, de 10 e hoje é de apenas 1 unidade por operação no mercado secundário.

Como investir

Como dito, os BDRs são ativos de renda variável, e seguem a mesma lógica do mercado de ações. 

Por isso, antes de você negociar o produto, cabe entender a empresa em questão, os riscos envolvidos, a liquidez dos papéis, e principalmente verificar se investir nesse ativo faz sentido no seu portfólio e se está de acordo com o seu perfil de investidor. Consulte o seu assessor para saber mais.

Vou disponibilizar um conteúdo feito por uma equipe de especialistas da XP Investimentos contendo os Top 10 BDRs Internacionais

Até o próximo artigo!


Invista com quem entende sua história e personaliza a gestão do seu patrimônio

Entre em contato com nossos especialistas e abra sua conta!


Compartilhe

Quer saber como investir melhor o seu patrimônio?

Invista para potencializar as suas conquistas.

Leia também

  • 24

    quarta

    nov

    24/11/2021

    MB Sócios

    PEC dos Precatórios e os impactos para investidores

    Por Rodrigo Franchini, Sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo O mercado tem acompanhado de perto a PEC dos Precatórios e os desdobramentos dela no Senado. Alguns parlamentares estão reticentes à aprovação do projeto por causa do aumento do risco fiscal brasileiro pela ampliação do teto de gastos para financiar o Auxílio Brasil, […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 18

    quinta

    nov

    18/11/2021

    MB Sócios

    IFIX já caiu mais de 8% em 2021. E agora?

    Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo. O ano não tem sido fácil para algumas classes de ativos e os fundos imobiliários estão entre elas. O Ifix amarga uma queda de mais de 8% em 2021 e as perspectivas não são tão boas no curto prazo. Com a economia deteriorada, muitos investidores (as) começam a questionar se estão fazendo […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 17

    quarta

    nov

    17/11/2021

    MB Sócios

    Curadoria de conteúdo: como se informar sobre investimentos diante de tanta oferta?

    Por Pier Mattei, CEO e sócio-fundador da Monte Bravo para o Jornal do Comércio Há pouco mais de 20 anos, os brasileiros contavam com poucas opções para administrar o patrimônio. O cenário de inflação e juros altos formou um padrão de investimentos que se dividia entre caderneta de poupança, imóveis e até linhas telefônicas em […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 11

    quinta

    nov

    11/11/2021

    MB Sócios

    COP26: Até agora, quais lições os investidores podem tirar?

    Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo. Mesmo com o mercado brasileiro agitado por conta da PEC dos Precatórios e furo do Teto de Gastos, a COP26 não tem passado despercebida. Adiada em um ano por conta da pandemia, a conferência, que vai até amanhã, 12 de novembro, lança luz às discussões sobre o clima […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 05

    sexta

    nov

    05/11/2021

    MB Sócios

    Entrevista com Pier Mattei: Inflação é o pesadelo do investidor e momento é da renda fixa.

    Entrevista feita por Karla Spotorno do veículo Broadcast Investimentos com Pier Mattei, CEO e sócio fundador da Monte Bravo. São Paulo, 22/10/2021 – Inflação neste ano e eleição presidencial em 2022. Essas são as maiores preocupações dos investidores, segundo Pier Mattei, cofundador da Monte Bravo. Ainda que o horizonte siga turvo para os portfólios de […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 04

    quinta

    nov

    04/11/2021

    MB Sócios

    Temporada de Balanços: O que temos enxergado até aqui?

    Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo. Ainda que a pandemia esteja perto do fim em muitos países, os efeitos de 2020 ainda permanecem na economia mundial. Não só o Brasil, mas muitos países têm enfrentado uma crise energética e de demanda industrial. E esses dois drivers explicam, em partes, o que tem pressionado a inflação e, por consequência, […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 03

    quarta

    nov

    03/11/2021

    Economia

    Veja as evoluções das aplicações financeiras de outubro/2021

    O mês de outubro foi marcado por oscilações e grandes baixas, resultando em mudanças significativas no cenário econômico nacional. Veja abaixo as evoluções das aplicações financeiras deste último mês. Compartilhe

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 29

    sexta

    out

    29/10/2021

    MB Sócios

    Alta da inflação: risco ou oportunidade?

    Por Bruno Madruga, Sócio e Head de Renda Variável da Monte Bravo Investimentos A inflação vem preocupando o mercado e, claro, os investidores brasileiros. Com a disparada dos preços de insumos, alimentos, gás, gasolina e dólar, a visão de que a alta da inflação seria transitória já caiu por terra. Essa preocupação vem provada em […]

    Compartilhe

    Continue lendo
  • 22

    sexta

    out

    22/10/2021

    MB Sócios

    Debandada no Ministério de Guedes e furo do Teto de Gastos: como ficam os investimentos?

    Por Rodrigo Franchini, Sócio e Head de Relações Institucionais da Monte Bravo Na última quinta-feira, 21 de outubro de 2021, quatro secretários do Ministro da Economia, Paulo Guedes, pediram exoneração de seus cargos. Isso aconteceu após o presidente Jair Bolsonaro furar o Teto de Gastos da economia. O Teto de Gastos aprovado pelo governo Temer em […]

    Compartilhe

    Continue lendo

R. Min. Jesuíno Cardoso, 454 - 9° andar Vila Nova Conceição, São Paulo-SP, 04544-051, Fone (11) 3018-0960

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

1