06/05/2021 às 16:15

06

Quinta

Mai

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Muita gente acredita que a inflação só é percebida nos preços praticados nos produtos adquiridos no dia a dia. No entanto, a ação inflacionária tem impacto em todas as rotinas econômicas, e isso tem tudo a ver com seus investimentos, dos mais conservadores aos mais arrojados.

A inflação é, de fato, uma pressão sobre os preços provocada por vários fatores. O aumento do consumo, por exemplo, tende a elevar também os valores dos produtos, conforme ensina a lei da oferta e da procura. A entressafra de um produto agrícola, por sua vez, incide sobre seu preço e sobre toda a cadeia de produtos que depende dele. A valorização cambial faz subir o valor dos insumos importados, provocando uma reação em todos os itens relacionados.

Até meados dos anos 1990, o Brasil convivia com índices inflacionários imprevisíveis e preocupantes. A inflação inercial era um fenômeno recorrente: apenas por supor que os preços subiriam, comerciantes e prestadores de serviço elevavam seus custos ao consumidor, criando uma margem inflacionária virtual. Com a estabilização monetária, esse fenômeno involuiu, mas pressões inflacionárias seguem frequentes.

A mais recente delas é provocada pela pandemia de coronavírus, um acontecimento imprevisível que fez refrear o consumo de determinados produtos, aumentar o de outros, desequilibrar a balança comercial, enfraquecer a moeda e pavimentar o pior efeito de uma crise econômica: o desemprego.

Para aferir a dimensão dessa elevação de preços, foram criados vários índices oficiais ou ligados a universidades, que ajudam a mapear o perfil geral do comportamento inflacionário no Brasil.

Os mais comuns são:

INPC

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) é medido pelo IBGE ao comparar o valor necessário para comprar uma lista de bens de consumo com o preço em períodos anteriores. É medido mês a mês.

IPCA

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é a inflação oficial do país e leva em conta um público consumidor maior. O IPCA acumulado em março de 2021 era da ordem de 6,1%.

IGP-M

O Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M) é calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e é composto pelos preços de outros três índices: atacado (IPA-M), ao consumidor (IPC-M), e de construção (INCC). A construção civil foi um dos poucos setores aquecidos em 2020 e, com a fuga de matéria prima, teve inflação bem acima da média, levando o IGP-M a mais de 30% no acumulado do ano. 

Vale lembrar que o IGP-M é utilizado para rever os contratos de aluguel – e daqui a pouco voltaremos a ele. Ao contrário do que muita gente supõe, a inflação não é um elemento necessariamente maléfico.

Economistas concordam que um patamar mínimo de inflação significa que a economia e o consumo estão aquecidos – e que os salários poderão ser reajustados em uma média razoável para acompanhar esse movimento.

Mas a inflação descontrolada, por sua vez, diminui o poder de compra, muda o perfil de consumo, aumenta os estoques e provoca uma descontrolada reação em cadeia, inclusive nos investimentos. Os de renda fixa são os mais atingidos. A poupança, por exemplo, já tem uma rentabilidade baixa. Com a inflação em alta, quem aplica na caderneta perde dinheiro nesse intervalo de tempo.

Quem investe em imóveis pode ter uma grande dificuldade de repassar o IGP-M para seus inquilinos, porque seria um convite à inadimplência. Por isso, muitos contratos estão sendo revistos a partir de outros indicadores.

Por isso, é preciso investir em propostas que garantam o retorno real positivo, ou seja, que remuneram as perdas inflacionárias. São os casos dos investimentos atrelados à inflação. O Tesouro IPCA +, por exemplo, é um título de Tesouro Nacional que garante o ajuste ao IPCA do período contratado. Os títulos em CDB, LCI e LCA, além do risco baixo, também garantem a reparação inflacionária.

Já as ações de empresas podem ou não fazer a compensação. Aquelas empresas que conseguem repassar a inflação ao preço de seus serviços, como as concessionárias de serviços públicos, também repassam esse valor para seus papéis.

É preciso ainda verificar os impactos indiretos da inflação. A derrocada no consumo de determinado segmento pode desvalorizar os títulos das empresas desse segmento, provocando também depreciação em suas ações.

Para conter a inflação, o Banco Central pode ainda determinar a subida nos juros, o que também incide sobre os investimentos. A Selic, por exemplo, já se encontra em viés de alta e assim deve permanecer nos próximos meses.

Acompanhar essas mudanças no dia a dia, não é fácil. Sobretudo entre os investidores que não são profissionais da área: exercem outras atividades e investem seu patrimônio, mas não conseguem acompanhar com frequência as pequenas e grandes oscilações inflacionárias.

A Monte Bravo, empresa referência em assessoria de investimentos no mercado financeiro, conta com um time de assessores especialistas que auxiliam nas estratégias mais seguras para cada perfil, visando a perpetuação responsável e projetada de seu legado. Conheça nossa equipe aqui.

Artigos Relacionados

  • 17

    Sexta

    Jun

    17/06/2022 às 15:00

    Economia

    Fed e Copom: como os aumentos dos juros impactam os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilheO Federal Reserve, dos Estados Unidos, e o Comitê de Política Monetária brasileiro, o Copom, anunciaram as decisões de elevar juros na última Super Quarta, dia 15. O Fed realizou aumento de 0,75 ponto percentual, para uma faixa de 1,5% a 1,75%. Este foi o primeiro e o maior aumento dessa magnitude desde 1994. Já […]

    Continue lendo
  • 30

    Segunda

    Mai

    30/05/2022 às 11:39

    Economia

    Come-Cotas: O que é e como funciona?

    Compartilhe

    CompartilhePouco apreciado por investidores e gestores, o come-cotas é um assunto bastante discutido no mercado nesta época do ano. Ele nada mais é do que uma antecipação do Imposto de Renda de quem investe em alguns fundos de investimentos específicos – especialmente os abertos. Sua incidência ocorre no último dia útil de maio e novembro, […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1