Copom Reduz Taxa Selic Para 10,50%  a.a. - Monte Bravo

Monte Bravo Analisa | Copom reduz taxa Selic para 10,50%  a.a.

08/05/2024 às 19:40

08

Quarta

Mai

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Após a reunião desta quarta-feira (08), O Comitê de Política Monetária (COPOM) optou por reduzir a taxa Selic pela sétima vez consecutiva. 

Conforme sinalizado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa Selic em 25 p.b. trazendo a taxa Selic para 10,50% ao ano.

No Comunicado, o COPOM justificou a decisão, da seguinte forma:

Ambiente externo mostra-se mais adverso, em função da incerteza elevada e persistente referente ao início da flexibilização da política monetária nos EUA e a velocidade de desinflação sustentada em diversos países.

Atividade mais forte que o esperado – o conjunto de indicadores de atividade e do mercado de trabalho tem apresentado maior dinamismo do que o esperado.

Inflação em queda – inflação manteve trajetória de desinflação com destaque para as medidas de inflação subjacente que se situam acima da meta para a inflação nas divulgações mais recentes.

Expectativas de inflação subiram para 2025 – as projeções do Focus caíram de 3,8% para 3,7% em 2024, mas subiram de 3,5% para 3,6% em 2025.

Projeções de inflação subiram – as projeções subiram de 3,5% para 3,8% em 2024 e aumentaram de 3,2% para 3,3% em 2025.

Balanço de riscos assimétrico – mas as conjunturas doméstica e internacional devem manter  mais incertas, exigindo cautela na condução da política monetária.

Decisão de reduzir a Selic em 25 p.b. – é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta no horizonte relevante, que inclui somente o ano de 2025, a partir dessa decisão. Orientação sobre próximos passos – Comitê ressaltou que “acompanhou com atenção os desenvolvimentos recentes da política fiscal e seus impactos sobre a política monetária. O comitê reafirma que uma política fiscal crível e comprometida com a sustentabilidade da dívida contribui para a ancoragem das expectativas de inflação e para a redução dos prêmios de risco dos ativos financeiros”, o que claramente indica a preocupação com a flexibilização recente das metas de resultado primário. O Copom retirou a sinalização futura sobre a magnitude do ritmo de corte, e condicionou que “a extensão e a adequação de ajustes futuros na taxa de juros serão ditadas pelo firme compromisso de convergência da inflação à meta”.

O que isso implica para os investimentos?

Ao cortar 25 p.b., o Copom reconhece que o aumento da incerteza requer um ritmo mais cuidadoso, numa fase em “que o cenário global incerto e o cenário doméstico marcado por resiliência na atividade e expectativas desancoradas demandam maior cautela.”

O Comitê não forneceu uma orientação para os próximos passos e reforçou que “a extensão e a adequação de ajustes futuros na taxa de juros serão ditadas pelo firme compromisso de convergência da inflação à meta.”

Vemos o dissenso como algo natural na fase de ajuste fino da política monetária, sem grandes implicações para a inclinação da curva. Contudo, caráter condicional relacionado à continuidade do ciclo impedirá que o mercado antecipe muitos cortes na curva, em especial, diante da menção às expectativas que são muito sensíveis à evolução do quadro fiscal.

As projeções de inflação do Copom em seu cenário de referência situam-se em 3,8% em 2024 e 3,3% em 2025. Em que pese a incerteza, a projeção de 2025 mostra a inflação cadente e na direção de 3%, por isso mantemos a visão de que o Copom seguirá reduzindo os juros no ritmo de 25 p.b. nas próximas, levando a taxa Selic para 9,50% a.a. em novembro.

O cenário base Monte Bravo para o 2º trimestre combina um cenário global mais ameno com um quadro doméstico benigno apar a inflação.

Ibovespa – cenário sugere retomada da tendência de alta com potencial para testar novas máximas nos próximos meses rumo a 155.000 pontos no final de 2024.

Dólar – as oscilações do Real tem respondido mais às variações das Treasuries do que aos fundamentos domésticos, mas há espaço para uma apreciação nas próximas semanas.

Juros – parte curta da curva, que depende do Copom, está premiada. A continuidade do ciclo de afrouxamento permitirá um fechamento adicional de 20 a 30 p.b., mas a condicionalidade tende a conter a velocidade desse movimento. A parte mais longa está pressionada pela combinação do alta dos juros globais com o aumento da percepção de risco fiscal, um quadro que deve desanuviar gradualmente ao longo dos próximos meses.

Artigos Relacionados

  • 13

    Segunda

    Mai

    13/05/2024 às 13:59

    Outros

    Chuvas no Rio Grande do Sul: como usar o Imposto de Renda para fazer uma doação

    Compartilhe

    CompartilheAs chuvas no Rio Grande do Sul já afetaram mais de 85% das cidades gaúchas e deixaram centenas de mortos e desabrigados. A população precisa de ajuda, e qualquer doação é bem-vinda. Além das contribuições diretas, você também pode fazer uma doação para o RS via Declaração de Imposto de Renda. Através do programa da …

    Continue lendo
  • 20

    Quarta

    Mar

    20/03/2024 às 19:50

    Outros

    Monte Bravo Analisa COPOM – 20.03.2024

    Compartilhe

    CompartilheCopom reduz taxa Selic para 10,75%  a.a. Conforme sinalizado, o Comitê de Política Monetária do Banco Central reduziu a taxa Selic em 50 p.b. trazendo a taxa Selic para 10,75% ao ano. No Comunicado, o COPOM justificou a decisão, da seguinte forma:Ambiente externo segue volátil, marcado pelo debate sobre o início do corte de juros …

    Continue lendo
  • 20

    Quarta

    Mar

    20/03/2024 às 18:11

    Outros

    Monte Bravo Analisa | Federal Open Market Committee (FOMC) 20.03.2024

    Compartilhe

    CompartilheFed mantém Fed Funds em 5,50%, mediana das expectativas aponta taxa de 4,75% a.a. em dezembro O FOMC manteve a taxa de Fed Funds (juros base dos EUA) em 5,50% a.a. e avalia que os riscos para o duplo mandato de pleno emprego e inflação estão evoluindo para um balanço mais equilibrado. O Comitê segue …

    Continue lendo

Fechar

Loading...