02/10/2020 às 15:29

02

Sexta

Out

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

No início do mês repercutiu em toda a imprensa a fala do Ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre o rompimento do teto de gastos. Segundo ele, romper a regra, que é constitucional, “tacaria fogo no país”. Mas o que aconteceria caso isto de fato ocorresse? Se você acha que o mercado simplesmente desabaria, leia este artigo até o fim.

Em primeiro lugar, vale uma contextualização sobre “pegar fogo”. Todos sabem que o Brasil vinha em um ritmo interessante de reformas e projetos de concessão que, sem dúvida nenhuma, foram atrapalhados pela pandemia. Empresas diminuíram o ritmo dos investimentos, o fiscal do país se deteriora rapidamente e a dívida pública brasileira se aproxima de 100% do PIB.

E isto é um problema sério, pois em um cenário como este, o Estado perde a capacidade financeira afetando o volume de recursos direcionados para áreas fundamentais como infraestrutura e saneamento.

Além disso, quando o risco/país aumenta e as expectativas em relação à política fiscal de longo prazo pioram, o prêmio cobrado pelo mercado é maior. Na prática fica mais caro para o governo pegar dinheiro emprestado.  

No início de setembro a Moody’s, famosa agência internacional de classificação de risco, apontou o teto de gastos como a principal âncora fiscal do Brasil. E destacou que um eventual abandono da ferramenta sem uma contrapartida realista poderia prejudicar a retomada econômica.

Além do mais, quando há este tipo de incerteza, o investidor fica receoso e acaba retirando seus recursos do país em busca de ativos mais atraentes no exterior. Hoje, por exemplo, a nota do Brasil estabelecida pela própria Moody’s é de “Ba2”, abaixo do grau de investimento.

Isto sem falar no risco político e jurídico que o presidente da república correria caso a regra fosse quebrada.

Para ilustrar um pouco do que eu quero dizer, podemos olhar para algumas informações recentes do nosso Banco Central sobre o fluxo cambial. Os dados do órgão mostram que desde o início de 2020 já foram retirados mais de US$15 bilhões do país, o maior volume já registrado desde o início da série.

E o cenário tende a piorar em breve mesmo com o fim da pandemia.

Respondendo de forma objetiva o questionamento inicial do artigo, uma eventual quebra no teto de gastos pode fazer com que realmente o mercado desabe.

Contudo, caso este rompimento venha acompanhado de reformas estruturais como a administrativa, que traria maior autonomia para o governo no gerenciamento das despesas, o estrago pode ser menor.

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1