26/03/2021 às 10:00

26

Sexta

Mar

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

É inegável que um dos principais drivers da semana para os agentes de mercado foi a reunião do comitê de política monetária, o Copom, que definiu a nova taxa básica de juros, a Selic, em 2,75% ao ano.

Apesar da alta de 0,75% ter surpreendido algumas pessoas, já era algo esperado e até mesmo necessário por conta da inflação no Brasil, que poderia romper os 7% em 2022.

Na verdade, existiram diversas razões pelas quais o Banco Central reajustou a taxa nessa proporção. Porém, o fator mais importante, sem dúvidas, foi a necessidade de controlar o câmbio.

Somente em 2020 vimos o dólar sair de R$ 4 para R$ 5,20, um aumento de mais de 30%.

Vale ressaltar, no entanto, que apesar do reajuste, o risco cambial ainda permanece. Motivo pelo qual o agente monetário ressaltou que é preciso retomar a agenda de reformas e o ajuste fiscal.

De acordo com o comunicado do BC, essas são condições fundamentais para ancorarmos as expectativas de inflação.

Além disso, deixou aberta a possibilidade de novo aumento da mesma magnitude na próxima reunião, daqui a 45 dias.

Tudo bem, Rebeca, mas o que vai acontecer com os nossos investimentos?

Em primeiro lugar, vale ressaltar que algumas reformas já estão em tramitação e que, em conjunto com a PEC Emergencial e política fiscal adequada, as condições para a economia brasileira podem melhorar de forma significativa.

De fato, o dólar deve sofrer alguma depreciação ante o real no curto prazo. Alguns analistas projetam a moeda americana entre R$ 5,20 e R$ 4,80 até o início de 2022.

No caso da bolsa de valores, há uma certa precaução. Isto por conta dos títulos do governo brasileiro.

Com taxas melhores, a tendência é que investidores estrangeiros olhem mais para os papéis atrelados à Selic, retirando recursos do mercado de ações.

Diante deste cenário, é preciso que o investidor, mesmo o de longo prazo, olhe e faça um rebalanceamento da carteira caso seja preciso.

Mesmo os grandes gestores promovem mudanças de estratégia de acordo com o cenário econômico. Pense nisso.

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1