10/09/2021 às 18:31

10

Sexta

Set

2 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Por Rebeca Nevares, Sócia da Monte Bravo.

O título pode até parecer um pouco ousado, mas a verdade é que a resposta para esta pergunta varia caso a caso. Não existe uma regra universal proibindo o investidor de entrar em uma oferta pública inicial, mas alguns pontos precisam ser analisados na tomada de decisão.

Durante a semana, a sócia e gestora da Macro Capital, Priscila Araújo, trouxe aspectos relevantes sobre tema durante o podcast MB Stocks, da Monte Bravo.

Priscila destacou que, em geral, gestores costumam dar preferência a ações de companhias já listadas por causa da relativa facilidade na obtenção de informações. Ao lidar com as empresas no dia a dia, os fundos acabam conhecendo melhor a equipe de gestão e, por essas ações já contarem com algum tempo de mercado, geralmente estão dentro do escopo de cobertura das áreas de análise de bancos e corretoras.

Em contrapartida, ela afirmou que montar posições em IPO’s pode fazer parte de uma estratégia de diversificação de carteira. E revelou que as operações podem vir acompanhadas de derivativos como forma de proteção.

Mas o que de fato devemos analisar ao entrar em uma oferta pública inicial de ações?

Segundo Priscila, o primeiro filtro deve ser o de potencial de crescimento daquele negócio. Em seguida, é preciso analisar questões de governança, que podem ser gargalos neste primeiro momento, além de identificar drivers que ajudem a destravar valor no futuro.

Mas é importante ter atenção com o cenário econômico. Hoje, com a Selic em alta, existem investidores que saem da renda variável em direção à fixa que, por sua vez, tem oferecido opções que pagam inflação + 5%.

Na visão da gestora, essa migração deve continuar nos próximos meses e sem dúvida provocará uma mudança no fluxo de recursos do mercado. Na visão de Priscila, quando este movimento ocorre, as taxas de desconto das ações ficam maiores, e isto pode afetar os upsides, ou seja, o quanto aquele papel pode subir.

Neste sentido, é preciso ter cuidado com os produtos escolhidos neste momento. Um IPO até pode fazer sentido desde que precificado da maneira adequada antevendo os riscos. Porém, momentos de crise e instabilidade geram aversão ao risco e uma busca maior por uma composição de carteira defensiva, com empresas mais líquidas no portfólio de investidores institucionais.

Assim, Priscila alerta: é preciso certa cautela com o Ibovespa neste momento. Posições precisam ser táticas. Porém, sinalizações mais claras e críveis do governo para o teto de gastos podem melhorar o cenário para a bolsa em um futuro próximo.

A minha dica, neste sentido, é: não coloque todos os ovos na mesma cesta para evitar surpresas desagradáveis que atrapalhem a sua formação patrimonial. A oscilação é da natureza do mercado e não há como mudar isso. O papel do investidor, neste caso, é buscar uma leitura correta dos cenários e tomar a melhor decisão.

Caso os desafios pareçam muito complexos, não deixe de buscar a ajuda de um especialista de mercado. Quando falamos sobre investir, é sobre pessoas e não somente o dinheiro. Bons negócios!

Artigos Relacionados

  • 11

    Quarta

    Mai

    11/05/2022 às 14:01

    Economia

    Web 3.0: o que é e como impacta os investimentos?

    Compartilhe

    CompartilhePor Helbert Costa, responsável pela área de inovação da Monte Bravo Investimentos Não é lá novidade que o mundo tem passado por um processo de transformação acelerado, sobretudo, no que diz respeito à tecnologia. Há dez anos ou 15 anos não ouvíamos os termos criptoativos e metaverso no Brasil, comuns no dia a dia de […]

    Continue lendo
  • 10

    Quinta

    Mar

    10/03/2022 às 13:57

    Economia

    A Rússia pode quebrar financeiramente?

    Compartilhe

    CompartilheDepois das sanções impostas à Rússia, com a incapacitação de envio de recursos através do sistema SWIFT, serviço de padronização de mensagens e informações financeiras, muitas dúvidas surgiram quanto a estabilidade econômica do país: será que a Rússia pode quebrar financeiramente? Um dos pontos mais discutidos do momento é sobre as reservas russas e se […]

    Continue lendo
  • 23

    Quarta

    Fev

    23/02/2022 às 15:32

    MB Sócios

    O que é uma Holding Familiar? Saiba se está na hora de criar a sua

    Compartilhe

    CompartilhePor Marina Gonçalves, advogada e responsável pela área de Wealth Planning na Monte Bravo  O planejamento patrimonial é fundamental para preservar, organizar e perpetuar o legado familiar. Com a devida execução, ele possibilita maior eficácia na governança, harmonia entre os membros da família, além de evitar litígios na disposição e partilha de bens, e ainda […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1