Bolsa brasileira: recursos no exterior - Monte Bravo

Bolsa brasileira: recursos no exterior

01/04/2024 às 09:37

01

Segunda

Abr

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Bolsa brasileira: estrangeiros retiram recursos do Brasil

Com incertezas sobre os juros americanos e ruídos políticos locais, a Bolsa brasileira vem perdendo recursos do exterior. Desde o início do ano, investidores estrangeiros já sacaram R$ 21,8 bilhões da B3, arrastando, com eles, o desempenho do Ibovespa.

A saída ocorre após um forte movimento de otimismo. No último trimestre do ano passado, o saldo de investimento estrangeiro na B3 foi de R$ 45 bilhões, o que levou o Ibovespa a bater seu recorde nominal histórico. Agora, o índice tem queda de 4,84% em 2024.

O principal motivo para a reversão do fluxo estrangeiro foram mudanças nas apostas sobre os juros nos Estados Unidos.

No fim de 2023, dados mais fracos de inflação e emprego fortaleceram projeções de que as taxas americanas começariam a cair já em março deste ano, o que impulsionou mercados de maior risco.

Nos últimos meses, porém, novos números mostraram resiliência da economia americana, o que esfriou as projeções mais otimistas sobre um afrouxamento de juros.

Banco Central Americano

Em sua última reunião, o Fed (Federal Reserve, o banco central americano) decidiu manter os juros americanos na faixa entre 5,25% e 5,50% e projetou três cortes nas taxas neste ano.

A expectativa, no entanto, é que a primeira redução ocorra apenas no segundo semestre. O mercado local, porém, também foi afetado por ruídos políticos envolvendo as empresas de maior peso do Ibovespa: a Petrobras e a Vale.

No caso da petroleira, a decisão do conselho de administração de reter a distribuição de dividendos extraordinários, sob pressão do governo, derrubou seus ativos.

Diversos bancos rebaixaram suas recomendações de compra para os papéis. A companhia chegou a perder mais de R$ 55 bilhões em valor de mercado em um dia.

Já a mineradora sofreu com tentativas do governo Lula de emplacar um nome de sua confiança para o comando da companhia.

Na semana passada, o banco de investimentos Goldman Sachs recomendou, em relatório, que investidores apostem contra empresas estatais brasileiras e priorizem a alocação de recursos em companhias privadas, que podem se beneficiar do atual ciclo de queda de juros.

Segundo os analistas do Goldman, os recentes desenvolvimentos em torno da política de dividendos da Petrobras lembraram investidores de casos de maior envolvimento do governo em empresas estatais.

“Tais eventos normalmente levaram a um prêmio de risco mais elevado para ativos brasileiros”, diz o relatório.

Apesar disso, as incertezas sobre o exterior segue sendo o principal catalisador para o desempenho tímido dos ativos brasileiros. Além dos juros americanos, o desaquecimento da economia chinesa segue preocupando e aumentando a cautela de investidores.

China

O desempenho mais fraco da economia da China, inclusive, afeta diretamente as ações da Vale, já que o país é um grande comprador de minério de ferro, e as projeções de menor demanda vêm derrubando os preços da commmodity —e, consequentemente, os papéis da mineradora.

Bruno Madruga, estrategista de Ativos na Monte Bravo, explica a retirada de recursos estrangeiros na bolsa brasileira.

Nesse sentido, o estrategista de ativos Bruno Madruga, da Monte Bravo, afirma que os recentes ruídos políticos são pontuais, e o mercado brasileiro segue atrelado aos movimentos dos juros americanos.

“A movimentação do mercado está muito mais ligada aos Estados Unidos do que à Petrobras ou à Vale nesse período. No caso da Vale, houve queda no minério de ferro e naturalmente houve saída de capital estrangeiro nesse ativo. Na Petrobras, houve oscilação do petróleo. Essas interferências são ruídos de curto prazo”, afirma Madruga.

Confira a reportagem na íntegra, publicada no jornal Folha de S.Paulo.

Artigos Relacionados

  • 20

    Segunda

    Mai

    Entenda por que ações podem cair mesmo quando o balanço é positivo

    20/05/2024 às 12:20

    Sala de Imprensa

    Confira as ações mais recomendadas para investir

    Compartilhe

    CompartilheAs ações da Sabesp são as mais recomendadas para se investir em maio, de acordo com levantamento feito pela CNN com instituições financeiras. Foram consultados sete bancos e corretoras, que indicaram as melhores ações para investir na bolsa de valores brasileira nas próximas semanas. As top 5 mais indicadas foram: Cenário econômico O contexto econômico atual é …

    Continue lendo
  • 20

    Segunda

    Mai

    20/05/2024 às 12:03

    Sala de Imprensa

    Expectativas do cenário econômico mundial em 2024

    Compartilhe

    CompartilheO economista Alexandre Mathias, estrategista-chefe da Monte Bravo, participou como convidado do podcast Wall Street Cast para falar sobre as expectativas do cenário econômico mundial em 2024. O bate-papo foi com o Rodrigo Ferron, também da Monte Bravo. Alexandre é formado em economia pela USP, mestre em economia pela Fundação Getúlio Vargas, líder de pesquisa …

    Continue lendo
  • 20

    Segunda

    Mai

    20/05/2024 às 11:28

    Sala de Imprensa

    Análise econômica com Luciano Costa no BM&C News

    Compartilhe

    CompartilheO economista-chefe Luciano Costa, da Monte Bravo Corretora, conversou com a equipe de reportagem do BM&C News e fez análise econômica sobre as últimas movimentações do mercado com as recentes mudanças na Petrobras, também abordando o cenário político. Além do que se pode esperar da próxima presidente da empresa, antes comandada por Jean Paul Patres, …

    Continue lendo

Fechar

Loading...