05/10/2020 às 16:56

05

Segunda

Out

3 minutos de leitura
Compartilhar
Compartilhe

Você já deve ter ouvido falar que dinheiro parado dá prejuízo. E é verdade. Sem conseguir um rendimento mínimo para suas finanças, o dinheiro se desvaloriza, porque em geral os preços aumentam (inflação). Ou seja, qualquer investimento que recomponha pelo menos a inflação já é melhor do que nada.

Nas finanças pessoais, essa ideia já é mais disseminada – tanto que muitos investem na poupança, em que pese os rendimentos inexpressivos dessa modalidade.

Neste artigo, tentaremos quebrar um novo paradigma: como empresário, você também tem o dever de investir o dinheiro do seu negócio, sob pena de depreciar parte do seu patrimônio com o passar do tempo. Em 5 passos, você se sentirá apto para aplicar suas finanças em algum projeto seguro e rentável.

Defina a fonte do investimento

Qual a origem do dinheiro que será investido? Essa é a primeira pergunta que você deve se fazer. Por isso, é indicado algum trabalho prévio de organização financeira para então separar o recurso do dia a dia daquele que vai ser aplicado.

Primeira regra de ouro: dinheiro da empresa é dinheiro da empresa, dinheiro seu é dinheiro seu. Separe contas, planejamentos, defina datas para retirada e somente em casos extremos deixe uma coisa interferir na outra. 

Feito isso, tente adotar a regra 50-30-20, também indicada para a vida pessoal. Em um dia determinado, separe 50% das receitas para despesas fixas (contas, compras, impostos e folha de pagamento), 30% para despesas variáveis (fluxo de caixa, pequenos reparos e retirada) e 20% para investimentos. 

O percentual pode variar conforme as especificidades de cada empresa, mas o importante é manter certo rigor no seu cumprimento.

Defina o destino do investimento

Com mais segurança a respeito das fontes do aporte, agora é a hora de definir o destino do investimento.

Assim como no caso das pessoas físicas, pessoas jurídicas também têm de definir o tipo de investimento baseadas no grau de expectativa, no tempo necessário para resgate e nos riscos que estão dispostas a correr.

Alguns investimentos não são permitidos para PJs, como o Tesouro Direto, por exemplo.

Entre as linhas mais adotadas estão o CDB (mesmas regras da pessoa física), os fundos de investimentos coletivos, LCA e LCI (sem isenção de Imposto de Renda), entre outros.

Na Bolsa, a participação ainda é tímida, e representa pouco mais de 1% do total de investidores no mercado de ações.

Com aportes mais expressivos, por conta do fluxo de caixa, as pessoas jurídicas tendem a obter maiores lucros – mas uma gestão equivocada pode levar a tombos maiores.

Prepare a documentação

A “papelada” necessária para investir como empresário é um pouco maior do que entre as pessoas físicas.

Ao pedir o cadastro em uma corretora, será necessário levantar Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), balanço patrimonial, declaração de faturamento do último ano e alterações contratuais e societárias, se for o caso.

Informe-se mais

Um empresário que se torna investidor não pode se furtar a se manter atualizado com relação a questões macroeconômicas, conjunturais e relativas ao ramo de atividade exercido. 

Isso porque, a partir de agora, você terá uma nova fonte de renda para o seu negócio, mas também pode vir a ter uma nova fonte de perdas, e por isso estar atento às carteiras com as quais mantém negociação. 

Naturalmente, acompanhar bons jornais econômicos ajuda, mas talvez não seja suficiente diante de tantas oscilações no mercado.

Busque a melhor assessoria

Para isso, é necessário que seu negócio esteja amparado por um bom time de especialistas, que o ajudará a eleger os melhores planos de investimento e as maiores margens de lucro – bem como acompanhará as tendências sem tirar o seu foco da empresa.

A Monte Bravo tem a melhor equipe para isso – é o Corporate, solução da assessoria de investimentos voltada exclusivamente para pessoas jurídicas. 

O auxílio especializado oferece assessoria de ponta a ponta: do cadastro e aquisição dos papéis, passando pelo acompanhamento do mercado, finalizando com a captação e as eventuais declarações posteriores.

Por aqui, você contata nossos assessores e fica por dentro de outras informações para não deixar mais seu dinheiro parado.

Artigos Relacionados

  • 08

    Quarta

    Jun

    08/06/2022 às 15:59

    Investimentos

    Pessoas físicas dominaram os investimentos em Fiagros

    Compartilhe

    CompartilheOs Fiagros caíram no gosto dos investidores, especialmente, pessoas físicas. Um estudo da B3, a Bolsa de Valores brasileira, mostra que este perfil corresponde a 98% do volume investido na classe, que passou a marca dos R$2 bilhões.  Além disso, o levantamento ainda revela que desde a sua criação, em 2021, o número de investidores […]

    Continue lendo
  • 25

    Quarta

    Mai

    Como funcionam os ciclos econômicos no Brasil e como impactam investimentos? Entenda.

    25/05/2022 às 10:04

    Economia

    Como funcionam os ciclos econômicos?

    Compartilhe

    CompartilheOs ciclos econômicos são um dos assuntos mais importantes para o investidor. Isto porque eles são responsáveis por boa parte do direcionamento de fluxo de capitais, seja no Brasil ou em qualquer outro país. De forma resumida, compreender como funcionam os ciclos econômicos ajuda a entender para onde vai o dinheiro e como você pode […]

    Continue lendo
  • 30

    Quarta

    Mar

    Collar é estratégia de proteção (Crédito: Unsplash/Joshua Mayo)

    30/03/2022 às 16:14

    Investimentos

    O que é um Collar e para que serve?

    Compartilhe

    CompartilheO Collar é uma estratégia de defesa para o(a) investidor(a) que já possui ou deseja comprar um ativo como proteção. Nessa estrutura, quem investe consegue garantir que a posição seja mantida em caso de queda do mercado ao mesmo tempo em que possibilita as chances de ganhos, se houver valorização e aumento de preços. No […]

    Continue lendo
Invista com a gente

Ao navegar neste site, você aceita os cookies que utilizamos para melhorar sua experiência.

Fechar

Loading...

Fechar

1